PPS quer ouvir indiciados pela Operação Porto Seguro

Para Freire, os fatos descobertos pela Operação Porto Seguro são mais graves que o chamado mensalão

Brasília - O PPS protocolou hoje (27), na Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara, requerimento de convite para que a ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo, Rosemary Nóvoa Noronha, presa em meio a Operação Porto Seguro, da Polícia Federal, preste esclarecimentos sobre sua participação no esquema de tráfico de influência.

No documento, assinado pelo presidente do partido, deputado Roberto Freire (SP), também são convidados o ex-auditor do Tribunal de Contas da União, Cyonil da Cunha Borges de Faria Júnior e ao ex-adjunto do Advogado-Geral da União, José Weber Holanda.

O requerimento ainda precisa ser votado pela comissão. O colegiado se reúne amanhã (28). Para Freire, os fatos descobertos pela Operação Porto Seguro são mais graves que o chamado mensalão. “É difícil imaginar que o governo, que consegue empastelar uma CPI não vá blindar as pessoas que estão sendo indiciadas e denunciadas. Ainda mais com o grau de explosividade que tem a senhora Rosemary, que parece ter uma íntima relação com o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva”, disse Freire.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.