Brasil

PF intima filho de Lula a depor sobre compra de MPs

Filho do ex-presidente foi intimado a prestar depoimento na polícia em inquérito da Operação Zelotes


	Luís Cláudio Lula da Silva é dono das empresas LFT Marketing Esportivo e Touchdown
 (Reprodução)

Luís Cláudio Lula da Silva é dono das empresas LFT Marketing Esportivo e Touchdown (Reprodução)

DR

Da Redação

Publicado em 29 de outubro de 2015 às 16h04.

São Paulo - Investigado na Operação Zelotes, Luís Cláudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi intimado a prestar depoimento na Polícia Federal em inquérito que investiga a edição de medidas provisórias que teriam favorecido grupos empresariais do setor automotivo.

Inicialmente, os agentes da PF estiveram em um endereço no município de São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, que seria a residência de Luís Cláudio.

Depois, eles se dirigiram aos Jardins e localizaram o filho do ex-presidente no final da noite de terça-feira, 27.

Nesta quinta-feira, 29, advogados de Luís Cláudio estiveram na PF e solicitaram a mudança do dia do depoimento do filho do ex-presidente.

Luís Cláudio é dono das empresas LFT Marketing Esportivo e Touchdown. Na segunda-feira, 26, a Polícia Federal e a Receita Federal cumpriram mandados de busca e apreensão na sede dessas empresas, também localizadas nos Jardins.

O jornal O Estado de S.Paulo revelou no começo do mês que a Operação Zelotes passou a investigar a LFT Marketing Esportivo por ela ter recebido R$ 2,4 milhões de uma das consultorias suspeitas de fazer lobby pela edição da Medida Provisória 471, que prorrogou benefícios fiscais de montadoras de veículos.

Acompanhe tudo sobre:Luiz Inácio Lula da SilvaOperação ZelotesPersonalidadesPolícia FederalPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileirosPT – Partido dos Trabalhadores

Mais de Brasil

Datena começa agenda de rua da pré-campanha sem garantir se será candidato

Guilherme Boulos processa Pablo Marçal por fake news e pede indenização de R$50 mil por danos morais

Quando vai começar a taxação de sites como Shein e AliExpress?

Mais na Exame