Brasil

Para novo ministro da Educação, golpe de 1964 deve ser comemorado

O professor colombiano defende que a tomada do poder pelos militares, que perdurou por 20 anos, foi essencial para a abertura democrática do Brasil

Ricardo Veléz: ele defende que o papel do regime militar foi para "nos livrar do comunismo" (Google Plus/Reprodução)

Ricardo Veléz: ele defende que o papel do regime militar foi para "nos livrar do comunismo" (Google Plus/Reprodução)

CC

Clara Cerioni

Publicado em 23 de novembro de 2018 às 10h35.

Última atualização em 23 de novembro de 2018 às 19h44.

São Paulo — O novo ministro da Educação escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro, Ricardo Vélez Rodríguez, afirmou em um texto do seu blog que o golpe militar de 31 de março de 1964 "é uma data para lembrar e comemorar".

Segundo o professor, a tomada do poder pelos militares, que perdurou por 20 anos, foi essencial para a abertura democrática do Brasil.

"Os nossos militares prepararam os seus quadros de oficiais para se inserirem no Brasil democrático, abrindo espaço ao público feminino e com pleno respeito às lideranças civis legítimas surgidas do voto popular e às instituições do governo representativo", resume.

Professor de Ciência da Religião da UFJF, Rodríguez defende que a atuação dos militares "nos livrou do comunismo". 

"64, vale sim afirmá-lo, nos livrou do comunismo. Nos poupou os rios de sangue causados pelas guerrilhas totalitárias [...] Não tivessem os militares brasileiros agido com força para desmantelar a "República do Araguaia", teríamos tido o nosso "Caguán" (o território "livre" do tamanho do Estado do Rio de Janeiro, situado no coração da Colômbia e a partir do qual as Farc chegaram quase a balcanizar o país vizinho)", escreveu.

De acordo com o futuro ministro, "os treze anos de desgoverno lulopetista, os militantes e líderes do PT e coligados tentaram, por todos os meios, desmoralizar a memória dos nossos militares e do governo por eles instaurado em 64".

Para ele, a Comissão Nacional da Verdade, que teve o papel de investigar violações de direitos humanos durante o regime militar e apresentou em seu relatório final o número de 434 mortes no período, "foi a iniciativa mais absurda que os petralhas tentaram impor".

Em um trecho de seu artigo, no entanto, o futuro ministro reconhece que "períodos de exceção são ruins em termos de aprendizado democrático", e completa, ainda, que "houve excessos no que tange à repressão", mas justifica que a Lei da Anistia retomou os direitos dos exilados. 

"É importante lembrar que, se aproximando o fim o regime militar, foi aprovada a Lei de Anistia que possibilitou a volta dos exilados e a formação de partidos políticos de oposição por parte deles. Seria uma aberração, como pretenderam os petistas, fazer regredir o relógio da história, como se não tivesse havido Lei de Anistia, a fim de perseguir os desafetos da derrotada e ressentida militância da esquerda radical. Esse foi um desserviço à Nação que felizmente não prosperou", afirmou.

Acompanhe tudo sobre:Golpe de 1964MEC – Ministério da EducaçãoRicardo Vélez Rodríguez

Mais de Brasil

Governo de SP entrega 107 obras de infraestrutura turística no 1º semestre e bate recorde

Brasil precisa superar déficit de cidadania, afirma presidente da Politize!

Aos 78 anos, morre o ex-governador do Acre Romildo Magalhães

Morre o jornalista Sérgio Cabral, pai, aos 87 anos

Mais na Exame