"Não existirá mais puxadinho em Brasília até a Copa"

Novo terminal "não parece o Brasil", mas parte antiga continua precária. Diretor-presidente do consórcio que comanda aeroporto prometeu fim dos puxadinhos

Brasília - Espaço amplo, luminárias italianas, pequenos jardins ladeando o corredor, esteiras para facilitar a locomoção dos passageiros, mais de 40 opções de alimentação de uma sala vip onde se pode tomar banho antes de embarcar. A parte recém-reformada do aeroporto de Brasília, inaugurada na quarta-feira em cerimônia prestigiada pela presidente Dilma Rousseff, é vista como o início de nova era para o setor aeroportuário nacional. Após desembarcar na capital e se espantar com a qualidade das instalações, um passageiro disse ao ministro da Secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco: "Aqui não parece o Brasil."

Formado pela brasileira Infravix Participações e pela argentina Corporação América, responsável pela administração de 52 aeroportos no mundo, o consórcio Inframérica venceu o leilão de concessão no fim de 2012 oferecendo R$ 4,5 bilhões - ágio de 673%. Até agosto, a Inframérica vai investir R$ 1,2 bilhão. "Estamos cumprindo a fase inicial do processo, que é a ampliação, a reforma e a disponibilidade de nova infraestrutura", diz o diretor-presidente do consórcio, Alysson Paolinelli.

Nos últimos 16 meses, o aeroporto transformou-se em amplo canteiro de obras, causando atrasos nos voos e incômodo aos passageiros. Tanto transtorno colocou o aeroporto na antepenúltima posição entre os 15 avaliados em pesquisa de satisfação realizada em fevereiro.

Parte da reforma está agora pronta e o estacionamento passou de 1,2 mil para 3 mil vagas. Conhecida como Píer Sul, a área de 20 mil m² inaugurada na quarta-feira, com vista para o pátio de aeronaves, tem dez pontes de embarque e elevará a capacidade de passageiros de 16 milhões para 21 milhões ao ano.

Contraste

Mas a suntuosidade do Píer Sul contrasta com o restante das instalações, que ainda não passaram por reforma. "Isso aqui está uma bagunça ainda, caos completo", reclama a auxiliar administrativa Jassiany Pereira. A Inframérica promete entregar todas as obras previstas até a Copa. "Não tenho dúvida de que até lá não existirá mais nenhum puxadinho", afirma Paolinelli. O consórcio pretende em breve concluir as obras de pátio e estacionamento de aviões. Em maio, deve entregar o Píer Norte, com mais oito pontes de embarque. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.