Instrutor de paquera pode virar ‘persona non grata’ no Rio

Julien Blanc é acusado de incitar a violência contra a mulher em palestras para ensinar homens a seduzir o sexo oposto; ele teve seu visto negado na Austrália após ministrar um seminário sobre o assunto

São Paulo – Um projeto de decreto legislativo encaminhado à Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro quer que Julien Blanc, palestrante acusado de incitar a violência contra as mulheres, seja considerado ‘persona non grata’ na cidade.

Junto com Florianópolis (SC), o Rio de Janeiro está na lista de cidades que devem receber em janeiro um evento da empresa Real Social Dynamics (RSD), da qual Blanc é coach executivo. A companhia, com sede em Los Angeles (EUA), é especializada em treinar homens para conquistar mulheres.

Na semana passada, o homem de 25 anos teve seu visto revogado na Austrália após uma petição online no site Change.com o acusar de incitar “violência e abuso emocional contra as mulheres” em um seminário realizado na cidade de Melbourne.

Ao jornal britânico The Guardian, Scott Morrison, o ministro da imigração da Austrália, afirmou que ele “não estava disseminando ideias políticas" e, sim, "abusos depreciativos" contra as mulheres.

Desde a última terça, uma petição online pede uma postura semelhante ao Itamaraty e Polícia Federal. Até às 17h desta quinta-feira, mais de 270 mil pessoas já tinham assinado o pedido.

Proposto pelo vereador Renato Cinco (Psol), o projeto de decreto legislativo que tramita na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro não teria, contudo, nenhum efeito prático para impedir a entrada do palestrante no país ou a realização do evento.

“É uma posição política que mostra que a cidade é contrária à disseminação de uma palestra com cunho machista e que estimula a violência sexual contra as mulheres”, afirma o vereador. “Não é uma questão de liberdade expressão”. O projeto ainda será analisado pela Casa. 

Por enquanto, a Secretaria de Políticas das Mulheres (SPM) foi o único órgão do governo que fez um pronunciamento oficial sobre o assunto.

Em nota, a secretaria afirma que "é contra quaisquer cursos, investimentos e outras atividades que promovam essas atitudes. As quais, inclusive, levaram esse senhor a ser expulso da Austrália”. De acordo com o órgão, o assunto já foi encaminhado ao Ministério da Justiça. 

Reportagem da BBC Brasil afirma que o Ministério das Relações Exteriores teria proibido, em comunicação interna, a concessão do visto de permanência no Brasil a Blanc, segundo diplomatas ouvidos pelo agência. O Itamaraty, contudo, não confirma a informação. 

A nacionalidade de Blanc ainda não foi confirmada, mas perfil em uma das páginas mantidas pela Real Social Dynamics afirma que ele é suíço.  Cidadãos da Suíça não precisam de visto para entrar no Brasil. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.