Brasil

Marina Silva confronta Bolsonaro sobre direitos das mulheres em debate

Candidatos se enfrentaram sobre a igualdade salarial entre homens e mulheres, religião e violência

Jair Bolsonaro e Marina Silva no debate da RedeTV! (RedeTV!/Reprodução)

Jair Bolsonaro e Marina Silva no debate da RedeTV! (RedeTV!/Reprodução)

Luiza Calegari

Luiza Calegari

Publicado em 18 de agosto de 2018 às 00h58.

Última atualização em 18 de agosto de 2018 às 15h07.

São Paulo — A candidata Marina Silva (Rede) confrontou Jair Bolsonaro (PSL) em seus posicionamentos sobre mulheres no segundo debate presidencial destas eleições, realizado nesta sexta-feira (17) e transmitido pela RedeTV!.

Tudo começou quando Bolsonaro foi confrontado sobre a defesa que o deputado já fez de salários menores para mulheres. Bolsonaro disse que não era preciso se preocupar com essa questão, já que a legislação garante a igualdade salarial.

Quando foi a vez de Bolsonaro fazer uma pergunta a Marina Silva, ele afirmou ser a favor do armamento da população e perguntou se a candidata concordava. Marina respondeu apenas "não".

O resto do tempo foi utilizado para continuar confrontando Bolsonaro sobre seu tratamento às mulheres: "Só uma pessoa que não sabe o que significa uma mulher ganhar um salário menor do que um homem e ter as mesmas capacidades, a mesma competência, e ser a primeira a ser demitida. Ser a última a ser promovida, e quando vai a uma fila de emprego não é aceita simplesmente por ser mulher. Tem que se preocupar sim, porque quando se é presidente da República a gente tem que fazer cumprir o artigo 5º da Constituição que diz que nenhuma mulher deve ser discriminada. O presidente está lá para combater injustiça".

Em sua réplica, Bolsonaro apelou para a religião: "Temos aqui uma evangélica que defende o plebiscito para o aborto e para a maconha. Você não sabe o que é uma mulher, Marina, com um filho jogado no mundo das drogas. Eu defendo a mulher, inclusive defendo a castração química para estupradores. E no tocante à arma de fogo eu defendo, sim, que a mulher, inclusive, caso queira, a mulher de bem, tenha a posse da arma de fogo para se defender se assim o desejar".

Marina usou a tréplica para alfinetar Bolsonaro também com a religião. "Você quer resolver tudo no grito, na violência. Nós somos mães, nós educamos os nossos filhos. A coisa que uma mãe mais quer é ver o filho ser educado no caminho do bem, e você fica ensinando aos nossos jovens que tem que resolver as coisas é na base do grito. Você é deputado, pai de família. Você um dia desses pegou a mãozinha de uma criança e ensinou como é que se faz para atirar. Você sabe o que a Bíblia diz sobre ensinar uma criança? 'Ensina a criança no caminho que deve andar, e até quando for grande, não se desviará do caminho'. É esse o ensinamento que você quer dar ao povo brasileiro?".

Marina terminou afirmando que "o Estado é laico", e foi aplaudida pela plateia. Bolsonaro recomendou que a candidata da Rede lesse o livro de Paulo, da Bíblia.

Acompanhe tudo sobre:Eleições 2018Jair BolsonaroMarina SilvaMulheresReligião

Mais de Brasil

Tramonte lidera as intenções de voto para prefeitura de BH, aponta pesquisa Quaest

Quando volta o calor em São Paulo? Veja o que mostra previsão do tempo

Brasil e Itália defendem acordo entre Mercosul e UE 'o quanto antes'

Mais na Exame