Brasil
Acompanhe:

Lula convida União Brasil a fazer parte da base do futuro governo

Petista fez o pedido aos líderes da sigla na Câmara e no Senado. Presidente eleito também se reuniu com nomes da transição da área econômica, a portas fechadas

Lula: petista convida União Brasil a fazer parte da base do futuro governo (Horacio Villalobos/Getty Images)

Lula: petista convida União Brasil a fazer parte da base do futuro governo (Horacio Villalobos/Getty Images)

A
Agência O Globo

29 de novembro de 2022, 16h03

O presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), convidou na manhã desta terça-feira o União Brasil para fazer parte da base do futuro governo. O petista se reuniu com os líderes do partido na Câmara e no Senado, Elmar Nascimento (BA) e Davi Alcolumbre (AP), no hotel em que ele está hospedado, na região central de Brasília. Os parlamentares ouviram a proposta, mas não bateram martelo sobre a adesão.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Segundo O GLOBO apurou, Lula fará uma série de conversas com outros líderes partidários e, só então, retomará essa conversa. Na reunião, "questões objetivas" teriam ficado de fora. Ou seja, não houve menção a espaço e participação do União Brasil no governo.

No início desta tarde, Lula também se reuniu a portas fechadas com aliados escalados para comandar a área de economia na transição. O encontro reuniu nomes como Pérsio Arida, Guilherme Mello, Gabriel Galípolo e Nelson Barbosa. Além deles, Fernando Haddad (PT), o favorito para ocupar o posto da Fazenda, esteve presente.

Essa é a primeira vez que o ex-prefeito de São Paulo petista participa de uma reunião oficial da área econômica. Haddad vem tentando vencer as resistências de agentes econômicos que veem com desconfiança a sua indicação para ocupar o principal posto da Esplanada.

Além de formar uma base, entre as preocupações do presidente está a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Transição, que libera o pagamento de R$ 600 do Bolsa Família aos mais vulneráveis.

O assunto, além de ser acompanhado por petistas que trabalham na articulação política, também é detalhado pelos e debatido por nomes da área.

Mais tarde, Lula também deve ter reuniões com parlamentares do PSD. O partido de Gilberto Kassab é um dos que devem se aliar ao governo do PT no Congresso a partir de 2023.