A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Juvenal ataca Corinthians e autoridades por Itaquerão

No final de março, um acidente na montagem das arquibancadas provisórias do Itaquerão provocou a morte de um operário

São Paulo - Em seus últimos dias como presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio aproveitou a eleição para o Conselho Deliberativo do clube para atacar o rival Corinthians e o comportamento das autoridades públicas em relação ao processo de construção do Itaquerão, estádio do clube do Parque São Jorge, que sediará partidas da Copa do Mundo, incluindo o jogo de abertura.

No final de março, um acidente na montagem das arquibancadas provisórias do Itaquerão provocou a morte de um operário, a terceira desde o início das obras no local. A polêmica em relação ao estádio cresceu nos dias seguintes, quando o superintendente regional do Ministério do Trabalho, Luiz Antonio de Medeiros, insinuou que a o obra não estaria liberada se não existisse a proximidade da Copa do Mundo.

Depois, ele até recuou na sua declaração, mas assinou laudo que interditou parte da obra do Itaquerão e afirmou que houve "irresponsabilidade" na gestão da segurança dos operários que vinham trabalhando na montagem das arquibancadas dos setores Norte e Sul do estádio, com arquibancadas provisórias. Juvenal, então, declarou que o Corinthians estaria sendo "poupado" e também afirmou que seria pedido o seu impeachment se o incidente envolvesse o São Paulo.

"Vocês poupam o estádio do clube em Itaquera. Eu vi o Medeiros, que tem responsabilidade institucional, e eu sei o que eu falo, dizer o seguinte, dois pontos, 'falei com o ministro. Estamos olhando aqui em um faz de conta'. A imprensa publicou isso! Ou não publicou? No outro dia se fosse no Morumbi tinha Polícia Militar, Polícia Federal, exército, inquérito, vocês estavam bombardeando o Juvenal 'incapaz, incompetente, impeachment, renuncie!'. Mas não vi uma palavra disso na mídia. O cidadão é superintendente no Estado de São Paulo, as coisas acontecem no Brasil e ele diz 'faz de conta!'. E no dia seguinte não tinha inquérito, não tinha cadeia, não tinha nada! E não vai ter", disse.

O presidente do São Paulo também avaliou que um suposto silêncio sobre irregularidades no Itaquerão e a morte do operário acontece para que a imagem do Brasil não seja machada. Assim, prometeu "silenciar" sobre o assunto após realizar essas críticas.

"Agora acho que precisamos fazer a Copa do Mundo. E vai ter essas coisas. Os bombeiros falaram 'não pode!' e eu não sei o que vai acontecer. Você entendeu? A lei, é a lei! A imprensa silencia sobre isso sim! Mas eu também vou silenciar, em nome do que? Do País. Não pode fazer vexame perante o mundo. Ponto!", comentou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também