A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Justiça determina suspensão de propagandas do governo Temer

Em uma das peças sobre a reforma da Previdência, um narrador diz que "tem muita gente no Brasil que trabalha pouco, ganha muito e se aposenta cedo"

Brasília - A Justiça Federal em Brasília determinou a suspensão imediata da veiculação de todos os anúncios publicitários da campanha intitulada "Combate aos privilégios", lançada pelo governo federal em meio à tentativa de votação da nova proposta de reforma da Previdência.

A ação foi ajuizada pela Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Anfip) contra a União com o argumento de que as peças não têm cunho educativo, fazendo propagação inverídica do assunto, o que é vedado pela legislação.

Em uma das peças, um narrador diz que "tem muita gente no Brasil que trabalha pouco, ganha muito e se aposenta cedo" e cita também que, com a reforma "servidores públicos ou não terão direitos equivalentes".

Em decisão liminar, a juíza Rosimayre Gonçalves de Carvalho, da 14ª Vara Federal do Distrito Federal, determinou a suspensão da campanha em todos os suportes de comunicação que vem sendo veiculados, sob pena de 50 mil reais, em caso de descumprimento.

A magistrada disse que a peça é uma genuína propaganda da opção política governamental que tem por objetivo garantir o apoio popular à reforma da Previdência. Mas a propaganda fere a Constituição ao usar como recurso de convencimento "a desqualificação de parte dos cidadãos brasileiros, unicamente por integrarem a categoria dos servidores públicos".

"Com efeito, a propaganda não divulga informações a respeito de programas, serviços ou ações do governo, visto que tem por objetivo apresentar a versão do Executivo sobre aquela que, certamente, será uma das reformas mais dramáticas e profundas para a população brasileira", afirmou.

A magistrada disse ainda que a peça conduz a "população ao engano ao acreditar que apenas os servidores públicos serão atingidos pela mudança".

Contactada, a assessoria de imprensa da Advocacia-Geral da União (AGU) ainda não se manifestou sobre se vai recorrer da decisão.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também