Inspetores de barragem que de Brumadinho tinham vínculos próximos com Vale

Funcionários da empresa alemã TÜV SÜD agiram como consultores da companhia brasileira para o fechamento de minas no Brasil

Nova York - A companhia que certificou a segurança de uma barragem que ruiu na semana passada em Brumadinho, matando ao menos 115 pessoas, trabalhou tanto como consultora quanto avaliadora independente da segurança para a proprietária do empreendimento, a Vale, o que levanta questões entre especialistas sobre potenciais conflitos de interesse.

Funcionários da empresa alemã TÜV SÜD, que a Vale contratou para certificar a segurança da barragem, agiram como consultores da companhia brasileira para o fechamento de minas no Brasil, mostram documentos. Os laços próximos entre as empresas são reforçados pelo fato de que funcionários da TÜV SÜD foram coautores em relatórios de pesquisa com a Vale e falaram em conferências com trabalhadores da gigante da mineração brasileira.

Os melhores padrões da indústria de gerenciamento de barragens de rejeito como a que ruiu em Brumadinho ressaltam que o inspetor de segurança - também conhecido como auditor - seja capaz de demonstrar independência de seus clientes. "Em princípio, este é um conflito de interesses", afirma Eduardo Marques, professor de Geologia e Engenharia da Universidade Federal de Viçosa, referindo-se em geral a esse tipo de dupla função.

A barragem da Vale rompeu em 25 de janeiro, inundando a área com rejeitos da mina Córrego do Feijão - a água e os produtos químicos usados na mineração. Outras 238 pessoas estão desaparecidas e podem estar mortas. Uma investigação está em andamento para determinar as causas.

Uma porta-voz da Vale afirmou por e-mail que a TÜV SÜD é uma auditora externa da companhia brasileira. Ela não respondeu diretamente se o papel duplo da empresa alemã representaria algum conflito de interesses. A porta-voz disse que a barragem havia sido inspecionada repetidamente e monitorada não apenas pela TÜV SÜD, mas por outras companhias externas e pela própria Vale. Ela acrescentou que a inspeção mais recente da Vale havia sido de 22 de janeiro e mostrava estabilidade na área.

A TÜV SÜD, por sua vez, afirmou em comunicado que havia concluído avaliações na barragem em junho e setembro de 2018. A companhia disse que lamentava o acidente, mas que não podia comentar mais, diante das investigações em andamento.

Apesar de algumas diretrizes internacionais no setor, é comum no Brasil que companhias como a TÜV SÜD assumam papel tanto de consultorias quanto de inspetoras de segurança, disseram especialistas. Fonte: Dow Jones Newswires.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.