Brasil

Holiday quer internação psiquiátrica a grávidas com "propensão" a abortar

Projeto do vereador paulistano fala em medidas quando for detectada "propensão ao abortamento ilegal" e prevê novos passos mesmo para abortos legais

Fernando Holiday: ele diz que a legislação atual permite que "apenas a palavra da mulher" seja o suficiente para que o procedimento seja realizado, o que acaba "liberando o aborto indiscriminadamente" (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Fernando Holiday: ele diz que a legislação atual permite que "apenas a palavra da mulher" seja o suficiente para que o procedimento seja realizado, o que acaba "liberando o aborto indiscriminadamente" (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Tamires Vitorio

Tamires Vitorio

Publicado em 24 de junho de 2019 às 13h18.

Última atualização em 24 de junho de 2019 às 13h49.

São Paulo — O vereador Fernando Holiday (DEM-SP) apresentou o Projeto de Lei pelo qual mulheres grávidas "propensas a realizar aborto ilegal" poderiam ser internadas em clínicas psiquiátricas.

"Se, em qualquer caso de atendimento médico, for detectada uma gravidez em que as condições sociais e psicológicas da gestante indiquem propensão ao abortamento ilegal, o município requererá medidas judiciais cabíveis para impedir tal ato, inclusive a internação psiquiátrica", diz o texto do PL 352/2019, apresentado na Câmara Municipal de São Paulo no fim de maio.

Na justificativa, o parlamentar defende que "o poder público e a sociedade em geral devem cuidar com afinco das duas vidas afetadas: a da gestante e a do embrião/feto" e tem o objetivo de "fazer valer o direito à vida previsto na Constituição".

Em outra parte do documento, Holiday afirma que "o projeto também prevê que a gestante ou sua família tenham ciência dos sinais vitais do feto e das técnicas de abortamento, a fim de dissuadi-los da prática" com acompanhamento psicológico e "demonstração técnica" de um aborto.

Outro ponto do projeto sugere que a gestante "passará, obrigatoriamente, por atendimento religioso, sempre que ela e seus pais expressarem qualquer forma de teísmo". No caso de grávidas ateístas, o atendimento "será ecumênico e poderá ser dado por pessoa capacitada".

O artigo nono do PL garante que, caso o aborto seja descriminalizado em algum ponto, "a lei continua aplicável".

Atualmente, o aborto só pode ser realizado nos casos em que houve violência sexual, se o feto não tiver cérebro ou se há risco para a vida da mulher.

Caso o projeto de Holiday avance, esse procedimento ficaria ainda mais complicado. Ele prevê que a mulher teria de obter um alvará judicial e esperar 15 dias para receber a aprovação.

Acompanhe tudo sobre:AbortoGravidezMulheressao-paulo

Mais de Brasil

Governo cria sistema de emissão de carteira nacional da pessoa com TEA

Governo de SP usará drones para estimar número de morte de peixes após contaminação de rios

8/1: Dobra número de investigados por atos golpistas que pediram refúgio na Argentina, estima PF

PEC que anistia partidos só deve ser votada em agosto no Senado

Mais na Exame