A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Haddad quer estatal de ônibus para áreas deficitárias

O prefeito de São Paulo afirma que a empresa serviria para dar mais segurança ao sistema de transporte

São Paulo - O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), afirmou que estuda a criação de uma companhia estatal de ônibus. O objetivo seria que a empresa pública atuasse em casos de emergência e em áreas deficitárias. Haddad afirma que a empresa serviria para dar mais segurança ao sistema de transporte.

"Não uma companhia que absorvesse todo o sistema, como a antiga CMTC (Companhia Municipal de Transportes Coletivos), mas uma companhia que em casos como esse (de paralisação) tenha condições de operar o sistema sem prejuízo para a população", afirma.

De acordo com ele, o fato de não haver uma frota própria atrapalha a Prefeitura de São Paulo. Haddad definiu a empresa como um Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência (Paese) "melhorado".

O prefeito de São Paulo diz que a companhia poderia operar, definitivamente, em determinadas áreas da capital paulista. "Isso pode vir a acontecer numa área específica, até para haver uma comparabilidade com o setor privado. Nós estabeleceríamos marcos de eficiência do setor privado e setor público, no sentido de dar mais transparência para o sistema", diz.

Segundo Haddad, a Prefeitura tem um ano de prazo para tomar as decisões relativas à empresa, após o fim do estudo realizado. O prefeito também afirmou que pretende descredenciar as duas empresas de ônibus cujos funcionários entraram em greve na manhã desta quarta-feira, 4, prejudicando 200 mil passageiros.

Conforme Haddad, as viações Itaquera Brasil, na zona leste, e Oak Tree, na zona oeste, não têm honrado com as obrigações trabalhistas. O prefeito afirma que as empresas recebem repasses, "religiosamente", de acordo com o contrato assinado pela Prefeitura paulistana.

"Se o empresário não tem condições de prestar o serviço, ele tem de abrir mão do contrato", diz. Haddad quer fazer um contrato de emergência para substituir as empresas. "É um distrato o que nós vamos propor", afirma.

O prefeito afirma achar difícil que as empresas consigam dar garantias de que podem fazer o serviço, uma vez que vêm desrespeitando acordos reincidentemente.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também