A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Guimarães diz que base aliada aprova medidas econômicas

Segundo líder do governo na Câmara, é unânime a opinião dos partidos da base aliada em relação ao ajuste fiscal por entender a necessidade das medidas

Brasília - O líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE) disse hoje (15) que há unanimidade entre partidos da base aliada que, mesmo com divergências pontuais em relação ao pacote econômico anunciado pelo governo, vê a necessidade das medidas, diante do atual cenário do país.

“No fundamental todos se dispuseram a dialogar nas suas bancadas, convidar os ministros e dialogar com governadores. Houve um posicionamento unânime sobre a necessidade das medidas. Qual o tamanho e impacto delas? Vamos iniciar o dialogo quando os projetos de lei e medidas provisórias entrarem em tramitação aqui na Casa”, afirmou.

José Guimarães conversou com jornalistas depois de encontro entre líderes governistas e a presidente Dilma Rousseff no Palácio do Planalto. Dilma convidou os parlamentares para explicar detalhes da estratégia do governo para retomar o crescimento da economia.

Segundo o líder do governo, ficou claro que o ambiente é do diálogo.

“É claro que as medidas precisam e serão aprovadas com muito diálogo. Se o país tiver uma compreensão melhor, elas poderiam ser aprovadas por unanimidade, porque são medidas justas que não retiram um direito. Nós estamos preservando até o reajuste dos servidores”, afirmou.

Ele reagiu ao discurso da oposição que criticou a possibilidade da recriação da Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF). PSDB e DEM atacaram a volta da cobrança, dizendo que a sociedade não aceita mais aumento da carga tributária.

Os líderes dos partidos chegaram a afirmar que a arrecadação com a contribuição representa o maior volume do pacote anunciado pela equipe econômica.

“Foi dito que 70% é imposto. É meio a meio. O governo cortou em demasia na própria carne”, afirmou o petista. Guimarães garantiu que o tributo é necessário e provisório.

“Não queremos para a eternidade. É provisório para necessidade de caixa do governo e vinculando à Previdência”, completou.

Na reunião com os parlamentares, Dilma recebeu das mãos de presidentes e líderes de partidos governistas uma carta assinada pelo PMDB, PcdoB, PP, PSD e PROS, em defesa do mandato da petista.

José Guimarães afirmou que o documento não é uma reação à oposição que lançou, há cinco dias, um movimento pró-impeachment.

“Nossa agenda não é a dos conspiradores, mas a do crescimento e das medidas”, afirmou. O deputado cobrou explicações da oposição sobre o porquê são contrários às medidas anunciadas pelo governo.

“Nos tempos do FHC [Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso], o PT sempre apresentou alternativas para o país na área econômica. A agenda do rami-rami é uma agenda que não dá conta das tarefas e das responsabilidades que todos temos que ter neste momento”, afirmou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também