Acompanhe:

Greve dos caminhoneiros? Rodovias operam sem transtornos, diz ministério

Segundo o comunicado do ministério da Infraestrutura, a PRF identificou apenas três pontos de concentração

Modo escuro

Continua após a publicidade
 (Ueslei Marcelino/Reuters)

(Ueslei Marcelino/Reuters)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 1 de novembro de 2021 às, 08h11.

Última atualização em 1 de novembro de 2021 às, 13h19.

A paralisação dos caminhoneiros autônomos e celetistas, prevista para iniciar nesta segunda-feira, está ocorrendo de forma pontual. Até o momento, grupos que apoiam o movimento promovem manifestações às margens das rodovias e em postos de combustíveis. Bloqueios em estradas e restrições de circulação de veículos de cargas que eram prometidos pela categoria a fim de repetir a greve histórica de maio de 2018 não se concretizaram.

A interrupção das atividades está concentrada na categoria dos autônomos, sem adesão dos celetistas e empresas transportadoras, conforme representantes ouvidos pelo Broadcast Agro, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

As lideranças que estão à frente do movimento avaliam que a participação dos transportadores autônomos é "alta". "A categoria está entendendo e cruzando os braços. Vemos um volume muito baixo de caminhões rodando. Ninguém está aguentando mais a situação atual, por isso que estamos parando", disse o presidente da Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava), Wallace Landim, conhecido como Chorão.

Segundo ele, há adesão ao movimento em vários Estados. Ele não soube mensurar o número de regiões e Estados em que há pontos de manifestação. Chorão, que foi uma das principais lideranças da greve de 2018, afirmou que o movimento seguirá por tempo indeterminado. "A ideia é que o governo tome alguma medida atendendo à categoria", apontou.

Na mesma linha, o diretor da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL), Carlos Alberto Litti Dahmer, afirmou que o transportador autônomo não está na rodovia. "Quem está rodando nas estradas são as empresas, em número menor. 95% dos autônomos pararam. Estamos firmes e continuamos parados", afirmou Litti, que estava em ato no entrocamento das rodovias BR 285 com RS 242 em Ijuí (RS).

A Polícia Rodoviária Federal informou que o fluxo de veículos está normal em todas as rodovias federais. Segundo a PRF, na última sexta-feira foi iniciada pela instituição uma operação extra de monitoramento nas estradas em virtude do feriado prolongado de Finados, para qual reforçou policiamento e rondas ostensivas nas estradas. "Estamos de prontidão, com o monitoramento 24h das rodovias federais a fim de atuarmos com agilidade e eficiência caso haja mudança no quadro atual", disse a PRF, em nota encaminhada à reportagem.

O Ministério da Infraestrutura informou que às 9 horas desta segunda-feira não havia registro de nenhuma ocorrência de bloqueio parcial ou total em rodovias federais ou pontos logísticos estratégicos. Trata-se do boletim mais recente da pasta. Mais cedo, a pasta afirmou que identificava três pontos de concentração: às margens da BR-116/RJ (Dutra), na altura da Rodoviária de Barra Mansa (RJ); às margens da BR-101/RJ, na região de Rio Bonito (RJ); e às margens da BR-116/CE, na altura do município de Itaitinga (CE). Sem bloqueio e sem abordagem a caminhoneiros que seguem viagem.

A ausência de interdições em rodovias é atribuída pelas lideranças ao fato de o governo e as autoridades terem se antecipado aos atos e obtido liminares judiciais proibindo bloqueios nas estradas. Na noite da última sexta-feira, a Advocacia Geral da União conseguiu liminares judiciais para proibir interdições de trechos ou a totalidade de rodovias de pelo menos 4 Estados (Goiás, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul).

A Autoridade Portuária de Santos (SPA), responsável pelo Porto de Santos, e a CCR Nova Dutra, concessionária responsável pela rodovia que liga os Estados de São Paulo e Rio de Janeiro, também obtiveram decisões semelhantes. As decisões preveem multas de R$ 2 mil a R$ 100 milhões por dia para quem desrespeitar os chamados "interditos proibitórios".

Segundo Chorão, a Abrava está recorrendo judicialmente das decisões judiciais de interdito proibitório. "Não fomos notificados oficialmente sobre essas liminares. Estão falando que são 29 liminares. Sabíamos que o governo agiria desta maneira e orientamos a categoria a permanecer em casa e estacionados sem trabalhar até termos nova decisão", afirmou Chorão.

A Abrava e a CNTTL estão à frente do movimento com o Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC). É a primeira vez que estas entidades estão juntas desde 2018. A insatisfação crescente com as promessas não cumpridas pelo presidente Jair Bolsonaro se tornou unanimidade na categoria - base eleitoral do presidente Jair Bolsonaro - e motivou a unificação da pauta após uma série de cisões.

As principais reivindicações dos caminhoneiros são o cumprimento do piso mínimo do frete rodoviário, mudança na política de preço da Petrobras para combustíveis e o retorno da aposentadoria especial a partir de 25 anos de contribuição, entre outros mais de 10 itens.

Últimas Notícias

Ver mais
Fenômenos da natureza causam 276 interdições em rodovias em seis meses
ESG

Fenômenos da natureza causam 276 interdições em rodovias em seis meses

Há 3 dias

Com reforço na infraestrutura, governo reforça intenção de impulsionar investimento
Esfera Brasil

Com reforço na infraestrutura, governo reforça intenção de impulsionar investimento

Há um mês

Lula assina concessão de rodovias paranaenses; veja o que muda com a tarifa do pedágio
Economia

Lula assina concessão de rodovias paranaenses; veja o que muda com a tarifa do pedágio

Há 3 meses

Número de pontos críticos em estradas cresce mais de 10 vezes desde 2013, diz CNT
Brasil

Número de pontos críticos em estradas cresce mais de 10 vezes desde 2013, diz CNT

Há 3 meses

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais