Brasil

Gabriel Monteiro tem a cassação de seu mandato aprovada em Conselho de Ética

As acusações incluem supostos casos de assédio moral e sexual, estupro, manipulação de vídeos e outras condutas

O youtuber e ex-policial militar é acusado de quebrar de várias formas o decoro parlamentar (Fernando Frazão/Agência Brasil)

O youtuber e ex-policial militar é acusado de quebrar de várias formas o decoro parlamentar (Fernando Frazão/Agência Brasil)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 11 de agosto de 2022 às 16h52.

O Conselho de Ética da Câmara Municipal do Rio aprovou por unanimidade nesta quinta-feira, 11, o relatório do vereador Chico Alencar (PSOL) que recomenda a cassação do mandato do vereador Gabriel Monteiro (PL). O youtuber e ex-policial militar é acusado de quebrar de várias formas o decoro parlamentar.

As acusações incluem supostos casos de assédio moral e sexual, estupro, manipulação de vídeos e outras condutas. O parlamentar repudia todas as acusações e atribui essas alegações a adversários que supostamente quereriam "destruí-lo".

Se não houver nenhum recurso, a recomendação do Conselho deve ser submetida ao plenário da Casa na próxima terça-feira, 16. Para que o mandato seja cassado, são necessários votos favoráveis de 34 dos 51 vereadores. Mesmo cassado, Monteiro deve concorrer a deputado federal na eleição de outubro pelo PL.

Além de Alencar, o Conselho é composto por outros seis vereadores titulares. São eles: Alexandre Isquierdo (União Brasil), presidente; Rosa Fernandes (PSC), vice-presidente; e Luiz Ramos Filho (PMN), Teresa Bergher (Cidadania), Zico (Republicanos) e Welington Dias (PDT).

VEJA TAMBÉM: PSOL oficializa apoio a Lula nas eleições presidenciais

O relatório de Alencar elencou sete motivos para a cassação de Monteiro. O relator cita: a filmagem e o armazenamento, por Monteiro, de um vídeo de sexo praticado com uma adolescente de 15 anos; a "exposição vexatória" de crianças em vídeos manipulados para enriquecimento e promoção pessoal; a perseguição a vereadores "com a finalidade de retaliação". Fala também em quatro denúncias de estupro contra o parlamentar.

Alencar cita ainda em seu relatório a exposição, abuso e violência física contra pessoa em situação de rua. Também se refere a assédio moral e sexual contra assessores do vereador. E aponta a o uso de servidores do gabinete do parlamentar para a atuação em sua empresa privada. Esse fato constitui, em tese, crime de peculato. Ele ocorre quando servidor se apropria indevidamente de verba pública.

"Diante das provas restou fartamente demonstrado que o Vereador Gabriel Monteiro praticou (ou ordenou que se praticasse a seu mando) atos deploráveis e inteiramente incompatíveis com o decoro que se espera de um Vereador da Câmara Municipal do Rio de Janeiro", concluiu Alencar.

A defesa do vereador, divulgada na quarta-feira, 10, rebateu todas as acusações. Também reafirmou a inocência de Monteiro.

"As ações do parlamentar enobrecem essa casa. Gabriel Monteiro fiscalizou e fiscaliza, agindo sempre em defesa dos mais pobres, o que causa a revolta de poderosos que diuturnamente enriquecem às custas de uma população que trabalha de sol a sol na tentativa de garantir uma melhor qualidade de vida para si e sua família", afirmaram os advogados do vereador.

Segundo eles, as acusações fogem ao escopo inicial das denúncias que era de supostos casos de estupro. Os advogados pediram a reabertura de prazo para uma nova defesa de Monteiro. Requereram ainda que o relatório fosse revisto por Alencar. Pediram também para que Monteiro fosse autorizado a acompanhar a reunião do Conselho. Nenhum pedido foi atendido.

LEIA TAMBÉM:

Defensoria recorre contra decisão que desobrigou planos de saúde cobrir tratamentos não obrigatórios

Starlink, de Elon Musk, vai estar apta a operar na Amazônia a partir de setembro

PT espera que atos pela democracia incentivem voto útil em Lula no 1º turno

Acompanhe tudo sobre:CongressoÉticaPL — Partido LiberalPSOL – Partido Socialismo e Liberdade

Mais de Brasil

No ritmo atual, universalização do sanemento no Brasil só acontecerá em 2070, aponta estudo

Senado informa ao STF que deve votar projeto de renegociação da dívida dos estados em agosto

Aeroporto Salgado Filho retoma embarques e desembarques a partir de hoje; veja como vai funcionar

Mais na Exame