Em Brasília, centrais sindicais exigem jornada de 40 horas

A manifestação pacifíca se concentrou na Esplanada dos Ministérios e, segundo cálculos da polícia, reuniu cerca de 25 mil pessoas

Brasília - Milhares de trabalhadores mobilizados pelas principais centrais sindicais do país se manifestaram nesta quarta-feira em Brasília para reforçar a exigência de que a jornada de trabalho seja reduzida de 44 para 40 horas por semana, sem alterações salariais.

A manifestação pacifíca se concentrou na Esplanada dos Ministérios, avenida onde ficam todos os edifícios do poder público, e, segundo cálculos da polícia, reuniu cerca de 25 mil pessoas.

O protesto foi convocado pela Força Sindical, pela Central Única de Trabalhadores (CUT), pela União de General Trabalhadores (UGT) e por outras federações de sindicatos, e teve como principal exigência a redução da jornada de trabalho, que os líderes operários já reivindicam há mais de quatro anos, sem receber resposta.

No entanto, o secretário-geral de Força Sindical, João Carlos Gonçalves, disse a jornalistas que os sindicatos estão convencidos de que podem "sensibilizar" o Governo Federal e o Congresso para que a reforma trabalhista seja discutida.

"A expectativa é positiva", porque "todas as centrais sindicais do país se uniram" e "sua voz tem que ser escutada pelo poder político", afirmou.

Durante a manifestação, os sindicatos exigiram ainda reformas nos sistemas de previdência e aposentadoria, e também pediram que o governo invista 10% do Produto Interno Bruto (PIB) na educação e 10% de seu orçamento anual na saúde, além de acelerar os planos de reforma agrária.

Após o fim do protesto, uma pequena comissão de sindicalistas foi recebida pelo presidente do Senado, Renan Calheiros, e pelo da Câmara dos Deputados, Henrique Alves, para entregar documentos com as reivindicações.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.