A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Direção do PT descarta possibilidade de aliança com DEM e PSDB

Segundo a sigla, os partidos são adversários históricos e estão excluídos do possível arco de alianças para as eleições municipais deste ano

Rio de Janeiro — A direção nacional do PT divulgou uma nota na madrugada deste sábado (08) na qual diz que DEM e PSDB, adversários históricos do partido, estão excluídos do possível arco de alianças para as eleições municipais deste ano.

"A Executiva, reunida no Rio ontem, definiu que a politica de alianças do partido para as eleições municipais exclui os partidos que sustentam a política ultraneoliberal do governo Bolsonaro (DEM e PSDB) e veta composições com os partidos de extrema-direita", diz a nota.

O texto contradiz informações passadas antes por dirigentes do PT e a assessoria do partido de que candidatos petistas a prefeito estariam autorizados a receber apoio do DEM e PSDB e poderiam apoiar nomes destes partidos em casos específicos desde que houvesse autorização das direções estaduais.

De acordo com a nota divulgada nesta madrugada, o PT vai priorizar alianças com os partidos de esquerda (PCdoB, PSOL, PDT, PSB, Rede, PCO e UP) mas pode fazer coligações com outras siglas desde que seus candidatos façam oposição ao governo Jair Bolsonaro e não pratiquem atos de hostilidade contra os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

"Alianças com outros partidos podem ser feitas, onde o PT tenha candidatos a prefeito, desde que autorizadas pelo diretório estadual, mas não podem incluir os partidos ultraneoliberais e os de extrema-direita", diz a nota.

Ainda na manhã deste sábado, mesmo depois da divulgação da nota, havia divergências entre dirigentes ouvidos pelo jornal O Estado de S. Paulo sobre o conteúdo da resolução política que define a política da alianças do partido.

Alguns diziam que parcerias pontuais com nomes do DEM e do PSDB poderiam ser autorizadas. Outros afirmavam o contrário.

Um dirigente citou o caso do Rio de Janeiro, onde existe chance de um segundo turno entre o prefeito Marcelo Crivella (PRB), considerado de "extrema direita" e Eduardo Paes (DEM).

Neste caso, segundo petistas, o partido teria mais proximidade com Paes. Dirigentes também citam como exemplos pequenas cidades do interior onde o PT combate o bolsonarismo ao lado de democratas ou tucanos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também