Brasil

PNAD: Desigualdade diminui, mas salários também caem

Dados do IBGE mostram que redução da concentração de renda foi puxada pela queda dos salários mais altos; veja ranking por estados

Favela Real Parque, em São Paulo (Levi Mendes Jr.)

Favela Real Parque, em São Paulo (Levi Mendes Jr.)

Bárbara Ferreira Santos

Bárbara Ferreira Santos

Publicado em 25 de novembro de 2016 às 10h00.

Última atualização em 25 de novembro de 2016 às 10h00.

São Paulo — A desigualdade de renda no Brasil caiu em 2015 pelo 11º ano seguido, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2015, realizada pelo IBGE.

Mas, embora a diferença entre os que ganham mais e os que ganham menos tenha diminuído, todos tiveram redução da renda mensal. A diminuição da desigualdade se deu principalmente porque a faixa de rendimentos mais elevados teve uma redução mais intensa que a dos mais pobres.

O índice de Gini, que mede o grau de concentração de renda, caiu de 0,497 em 2014 para 0,491 em 2015 quando consideradas todas as fontes de receitas da população com 15 anos ou mais. Nessa conta, é levado em conta, além do salário, a arrecadação por pensão, aposentadoria, programa social, pensão alimentícia, aluguel, etc. O índice de Gini varia de 0 a 1 e quanto mais perto do 1, maior a desigualdade.

A menor desigualdade foi registrada na região Sul (0,450) enquanto a região com maior diferença de rendimento foi a Centro-Oeste (0,498).

Entre os estados, Santa Catarina foi o que apresentou a menor desigualdade, com índice 0,419, seguido por Goiás, com 0,436. Na lanterna do ranking por estados, aparece o Distrito Federal, com 0,555 (veja lista por estados abaixo).

Esse levantamento, no entanto, precisa ser visto com cuidado. Diversos economistas apontam que, por trabalhar por amostragem domiciliar, a PNAD não é o melhor instrumento para captar as rendas dos estratos mais ricos.

A pesquisa não considera, rendimentos de capital como aplicações financeiras e ganhos com imóveis, por exemplo, então pode subestimar o tamanho da riqueza nas camadas mais elevadas da pirâmide social e, portanto, comprometer o retrato da desigualdade no país.

Salários altos caíram mais

Segundo a PNAD, a desigualdade entre os salários mais altos e mais baixos também diminuiu desde 2004, atingindo o índice de 0,485 em 2015 ante 0,490 em 2014.

A Região Nordeste apresentou o maior nível de desigualdade entre salários (0,498), enquanto a Sul, o menor (0,441).

No entanto, a maior queda de concentração ocorreu no Sudeste do país, onde o índice saiu de 0,478 em 2014 para 0,471 em 2015. Em segundo lugar aparece a Região Centro-Oeste, com diminuição de 0,487 para 0,481 entre 2014 e 2015. Nessas duas regiões, a queda de desigualdade também foi puxada pela redução do salário dos trabalhadores mais bem remunerados.

Já no Nordeste, a redução da desigualdade foi pequena (de 0,501 para 0,498) porque os trabalhadores com os salários mais baixos é que tiveram uma queda maior.

Desigualdade de renda maior entre homens

Segundo a PNAD 2015, o rendimento médio mensal dos trabalhadores é mais desigual entre os homens (0,487) do que entre as mulheres (0,471). As maiores concentrações de renda entre homens ocorrem no Maranhão (0,551) e Distrito Federal (0,546), enquanto as menores ocorrem em Santa Catarina (0,413) e Goiás (0,412). Já entre as mulheres há mais desigualdade no Piauí (0,552) e menos em Santa Catarina (0,372).

Redução leve na renda dos domicílios

Quando considerado o rendimento médio mensal dos domicílios brasileiros, houve uma queda pequena no índice de Gini entre 2014 e 2015: saiu de 0,494 e foi para 0,493 nesse período.

A pouca variação aconteceu porque em duas regiões a desigualdade aumentou - na região Sul (de 0,445 para 0,449) e Norte (de 0,475 para 0,476) -, além de o índice se manter igual no Nordeste (0,491).

A diminuição nos índices do Sudeste e do Centro-Oeste é que deixou o saldo do país positivo. Enquanto no Sudeste o número caiu de 0,482 para 0,478, no Centro-Oeste variou de 0,500 para 0,493.

Unidades da FederaçãoÍndice de Gini* da distribuição do rendimento mensal das pessoas de 15 anos ou mais de idade, com rendimento 
               Brasil0,491
Santa Catarina0,419
Goiás0,436
Alagoas0,438
Mato Grosso0,445
Rondônia0,452
Ceará0,453
Rio Grande do Sul0,454
Amapá0,457
Pará0,459
São Paulo0,460
Paraná0,465
Sergipe0,470
Espírito Santo0,471
Amazonas0,476
Minas Gerais0,478
Mato Grosso do Sul0,479
Bahia0,481
Rio Grande do Norte0,487
Pernambuco0,492
Acre0,500
Roraima0,500
Rio de Janeiro0,503
Tocantins0,504
Piauí0,505
Maranhão0,506
Paraíba0,510
Distrito Federal0,555

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, PNAD 2015.
*Quanto mais próximo de 1, maior a desigualdade.

Acompanhe tudo sobre:Desenvolvimento econômicoDistribuição de rendaIBGEPNADpopulacao-brasileira

Mais de Brasil

Governo de SP entrega 107 obras de infraestrutura turística no 1º semestre e bate recorde

Brasil precisa superar déficit de cidadania, afirma presidente da Politize!

Aos 78 anos, morre o ex-governador do Acre Romildo Magalhães

Morre o jornalista Sérgio Cabral, pai, aos 87 anos

Mais na Exame