CPI da Covid decide reconvocar ministro Marcelo Queiroga

O colegiado também aprovou requerimento pedindo ao ministro esclarecimentos sobre o motivo de a Conitec ter retirado de pauta um relatório contrário ao tratamento precoce
 (Adriano Machado/Reuters)
(Adriano Machado/Reuters)
A
Alessandra Azevedo, de Brasília

Publicado em 07/10/2021 às 11:40.

Última atualização em 07/10/2021 às 16:48.

A CPI da Covid aprovou nesta quinta-feira, 7, a terceira convocação do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, após ele ter se recusado a responder um questionário enviado pelo colegiado na terça-feira, 5, sobre o Plano Nacional de Imunizações para 2022. A CPI deu 48 horas para que o ministro enviasse as respostas, mas não teve retorno.

  • Entenda como as decisões do Planalto, da Câmara e do Senado afetam seus investimentos. Assine a EXAME

Os senadores querem saber, por exemplo, o motivo de a pasta ter anunciado que não usará mais a vacina Coronavac no ano que vem. O ministro afirmou na terça-feira que a Coronavac só fará parte do PNI se tiver a aprovação definitiva da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Esta quinta-feira seria o último dia de depoimentos da CPI. Com a aprovação do requerimento, o presidente do colegiado, Omar Aziz (PSD-AM), definirá a data que Queiroga será ouvido. A expectativa é que a oitiva não afete o calendário, que prevê a votação do relatório final em 20 de outubro.

Também nesta quinta-feira, a CPI aprovou um requerimento pedindo ao ministro da Saúde, esclarecimentos, no prazo de 24 horas, sobre o motivo de a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) ter retirado de pauta um relatório contrário ao tratamento precoce.

"Se o senhor passou 15 dias nos Estados Unidos e já está de volta é porque o senhor teve a oportunidade de tomar a vacina. Por isso que o senhor está vivo. Infelizmente, quase 600 mil pessoas morreram no Brasil por causa do tratamento precoce, que hoje a Conitec não está discutindo", disse Aziz.