Ciro admite que tem de se mostrar viável até junho para atrair siglas

O ex-ministro tem conversado e busca alianças com o União Brasil e o PSD. "Eu preciso demonstrar para eles que eu sou viável", afirmou Ciro
Ciro: o ex-ministro aparece em terceiro lugar nas principais pesquisas de intenções de voto (Getty Images/Patricia Monteiro/Bloomberg)
Ciro: o ex-ministro aparece em terceiro lugar nas principais pesquisas de intenções de voto (Getty Images/Patricia Monteiro/Bloomberg)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 12/04/2022 17:46 | Última atualização em 12/04/2022 17:46Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Pré-candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes admitiu na segunda-feira, 11, que precisa demonstrar que é um nome viável até maio ou junho para conseguir apoio de outros partidos. O ex-ministro tem conversado e busca alianças com o União Brasil e o PSD. "Eu preciso demonstrar para eles que eu sou viável", afirmou Ciro.

"Se eu conseguir, como estou conseguindo, chegar ali por maio, junho, demonstradamente o cara mais viável contra o que representa o Lula e o Bolsonaro em polarização, ódio e desagregação do País, eu tenho chance de capturar alguns pedaços da organização partidária brasileira", disse.

A declaração foi dada durante palestra no think tank Atlantic Council, em Washington, após pergunta feita pela reportagem do Estadão. Ciro aparece em terceiro lugar, com 9% das intenções de voto, na mais recente pesquisa Ipespe, a primeira divulgada após a saída de Sérgio Moro do Podemos e a filiação ao União Brasil, onde o ex-juiz enfrenta resistências e deixou de ser considerado pré-candidato à Presidência.

O pedetista está bem atrás de Lula (34%) e Bolsonaro (30%), mas à frente de outros nomes que tentam se garantir na chamada terceira via, como o tucano João Doria (6%), e a emedebista Simone Tebet (2%). "Eu tenho conversado, sim, com a direção do União Brasil", disse Ciro. MDB, PSDB, União Brasil e Cidadania pretendem anunciar um candidato único ao Planalto em maio.

Ciro disse que PDT deu apoio a políticos do antigo DEM (que se fundiu com o PSL para formar o União Brasil), como Ronaldo Caiado (Goiás) e Mauro Mendes (Mato Grosso). "Portanto é uma conversa que já vem de longa data", destacou.

"E o PSD é de um velho amigo meu, (Gilberto) Kassab, e eu já fui adiante e apoiei o prefeito (Alexandre) Kalil, de Belo Horizonte eu tenho uma amizade antiga e uma afinidade imensa com o Eduardo Paes no Rio de Janeiro", disse o pré-candidato, a uma plateia presencial e virtual de analistas brasileiros e americanos.

Em entrevista recente ao Broadcast Político, o presidente Nacional do PDT, Carlos Lupi, afirmou que para fortalecer a candidatura de Ciro ao Planalto, seu partido tem conversado "corriqueiramente" com União Brasil e PSD, que poderiam indicar um vice na chapa com o pedetista.