Brasil tem 1.075 mortes por covid-19 em 24h; total passa de 192 mil

De acordo com o consórcio de imprensa, o país tem 192.716 óbitos e 7.564.209 casos confirmados da doença
 (Bloomberg / Colaborador/Getty Images)
(Bloomberg / Colaborador/Getty Images)
G
Gilson Garrett JrPublicado em 29/12/2020 às 20:06.

O consórcio de veículos de imprensa divulgou um balanço nesta terça-feira, 29, com os números da pandemia de covid-19 no Brasil, de acordo com dados das secretarias estaduais de Saúde. O país tem 192.716 óbitos e 7.564.209 casos confirmados da doença.

O balanço, atualizado às 20 horas, mostra que no período de um dia foram registradas 1.075 vítimas e 57.319 testes reagentes para o coronavírus.

Os dados são compilados pelo consórcio de imprensa que reúne UOL, Folha de S.Paulo, O Estado de S. Paulo, O Globo, G1 e Extra.

A média móvel, que contabiliza o número de óbitos da última semana, é de 633. A média de casos está em 34.871.

Maior número de mortes desde setembro

A poucos dias de terminar, o mês de dezembro já registra o maior número de mortes por covid-19 desde setembro. Segundo dos dados do consórcio de imprensa, até esta terça-feira o país soma um total de 18.570 vítimas. A última vez que este número ficou tão alto foi em setembro, com 22.371 registros de óbitos.

Especialistas em saúde afirmam que o mês de dezembro representou um aumento muito grande nos números de casos e de mortes por covid-19. Apesar do país não ter passado pela primeira onda, pode-se dizer que estamos enfrentando um segundo momento de pico.

Os novos casos de covid-19 no Brasil estão em tendência de alta desde o fim de novembro. Há duas semanas foram registrados valores diários de novas infecções que não eram vistos desde agosto. Com isso, leitos de UTI voltaram a ficar cheios e alguns sistemas de saúde estão próximos de um colapso, como é o caso de Manaus e do Rio de Janeiro.

A grande preocupação é que as festas de fim de ano, em que as aglomerações são mais frequentes, deixem a situação ainda pior, podendo levar a uma explosão de casos logo no início de 2021.