Candidatos pressionam Globo por debate virtual em SP

Ainda no 1º turno, emissora negou a possibilidade de promover debates virtuais para garantir um tratamento equânime a todos os candidatos
 (Montagem/Exame)
(Montagem/Exame)
Por Gabriel JustoPublicado em 27/11/2020 18:22 | Última atualização em 27/11/2020 18:32Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Depois de Guilherme Boulos (Psol) anunciar que foi diagnosticado com covid-19, a Rede Globo cancelou o debate entre os prefeitáveis previsto para a noite desta sexta-feira (27). Isolado em casa, Boulos anunciou que solicitaria à emissora que o debate fosse feito de forma virtual. O mesmo pedido foi feito ao seu oponente, Bruno Covas (PSDB), que aceitou a proposta. A realização do último debate das eleições municipais em SP fica à critério da própria Globo.

Em setembro, ainda durante o primeiro turno, a emissora explicou que não promoveria debates não-presenciais porque "os candidatos precisam ser tratados de forma equânime e ter as mesmas condições, e o público precisa perceber isso". 

"Um candidato pode injustamente ser acusado de estar com ponto eletrônico, de estar recebendo ajuda de assessores, por exemplo. A transmissão pode cair num momento importante do debate, e a Globo ser injustamente acusada de ser a culpada ou, da mesma forma, e também de forma injusta, o candidato ou sua campanha serem acusados de terem provocado a interrupção para fugir de um momento difícil.

Comunicado da Rede Globo divulgado em setembro

Também em setembro, a RBS, afiliada da Globo no Rio Grande do Sul, realizou um debate drive-in, possibilitando a presença de todos os 13 candidatos à prefeitura da capital, Porto Alegre, mesmo em meio à pandemia. 

Pelo Twitter, Boulos informou que irá fazer um pronunciamento junto com sua vice, Luiza Erundina, às 19h.

Procurada, a Globo não atendeu à Exame para confirmar se aceitará ou não promover o debate em SP com os candidatos presentes apenas virtualmente.