• AALR3 R$ 19,68 -0.35
  • AAPL34 R$ 73,43 -0.18
  • ABCB4 R$ 16,92 2.67
  • ABEV3 R$ 14,75 0.41
  • AERI3 R$ 4,20 -4.11
  • AESB3 R$ 10,81 0.75
  • AGRO3 R$ 31,85 0.76
  • ALPA4 R$ 22,14 2.07
  • ALSO3 R$ 20,28 2.06
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,46 3.36
  • AMBP3 R$ 30,15 1.75
  • AMER3 R$ 23,43 -0.97
  • AMZO34 R$ 71,06 -0.66
  • ANIM3 R$ 5,70 2.70
  • ARZZ3 R$ 83,75 1.18
  • ASAI3 R$ 15,59 1.43
  • AZUL4 R$ 21,96 3.29
  • B3SA3 R$ 11,76 0.94
  • BBAS3 R$ 36,36 2.65
  • AALR3 R$ 19,68 -0.35
  • AAPL34 R$ 73,43 -0.18
  • ABCB4 R$ 16,92 2.67
  • ABEV3 R$ 14,75 0.41
  • AERI3 R$ 4,20 -4.11
  • AESB3 R$ 10,81 0.75
  • AGRO3 R$ 31,85 0.76
  • ALPA4 R$ 22,14 2.07
  • ALSO3 R$ 20,28 2.06
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,46 3.36
  • AMBP3 R$ 30,15 1.75
  • AMER3 R$ 23,43 -0.97
  • AMZO34 R$ 71,06 -0.66
  • ANIM3 R$ 5,70 2.70
  • ARZZ3 R$ 83,75 1.18
  • ASAI3 R$ 15,59 1.43
  • AZUL4 R$ 21,96 3.29
  • B3SA3 R$ 11,76 0.94
  • BBAS3 R$ 36,36 2.65
Abra sua conta no BTG

Câmara aprova texto-base da MP do salário mínimo de R$ 1.045

O valor é R$ 6 a mais do que o de R$ 1.039,00, inicialmente fixado pelo governo na MP 916, que foi revogada ainda em janeiro
Governo: de acordo com cálculos, o aumento de cada R$ 1 no salário mínimo implica despesa extra em 2020 de aproximadamente R$ 355,5 milhões (Agência Brasil/Marcelo Casal Jr)
Governo: de acordo com cálculos, o aumento de cada R$ 1 no salário mínimo implica despesa extra em 2020 de aproximadamente R$ 355,5 milhões (Agência Brasil/Marcelo Casal Jr)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 26/05/2020 21:51 | Última atualização em 27/05/2020 14:12Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Sem alteração em relação ao texto editado pelo governo, o plenário da Câmara aprovou o texto-base da medida provisória 919 que define em R$ 1.045,00 o salário mínimo para 2020 a partir de 1º de fevereiro. O valor é R$ 6 a mais do que o de R$ 1.039,00, inicialmente fixado pelo governo na MP 916, de 31 de dezembro de 2019, que foi revogada ainda em janeiro.

Deputados avaliam agora os destaques ao texto e, depois disso, a proposta precisa passar ainda pelo Senado.

O relator deputado Coronel Armando (PSL-SC), da base do presidente Jair Bolsonaro, não acatou em seu texto propostas de aumento real para o piso salarial. "Para esse ano não tem condições desta política ser implementada. Nesse momento temos de preservar emprego", disse Armando ao Broadcast Político, se referindo à crise econômica provocada pela pandemia.

Armando não acatou nenhuma das 44 emendas apresentadas à MP e isso deve gerar polêmica no plenário. "Eu enviei a cada parlamentar o relatório explicando porque não estava aceitando", disse o deputado.

Entre as emendas não aceitas, havia uma do presidente do Solidariedade, deputado Paulo Pereira da Silva (SP), o Paulinho da Força, que pretendia garantir aumento real ao piso nacional já este ano. Pela proposta, o valor subiria cerca de R$ 11 a mais em relação ao atual, o que representa mais de R$ 3,3 bilhões só neste ano.

Em 31 de dezembro de 2019, uma medida provisória estipulou para 2020 o valor de R$ 1.039, com base em projeção de inflação. Mas o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que corrige o mínimo, ficou em 4,48% no ano passado. Assim, o reajuste do salário mínimo ficaria abaixo da inflação.

De acordo com cálculos do governo, o aumento de cada R$ 1 no salário mínimo implica despesa extra em 2020 de aproximadamente R$ 355,5 milhões. Com o reajuste para R$ 1.045, o impacto estimado é de R$ 2,3 bilhões.