Butantan adia para maio entrega de 46 milhões de doses da CoronaVac

Houve um atraso na chegada do insumo farmacêutico ativo (IFA) da vacina importado da China, inicialmente previsto para a semana passada, mas que, segundo informação dada pelo presidente do Butantan na coletiva no palácio, chegará na próxima segunda-feira.

O presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse nesta quarta-feira que a conclusão da entrega do primeiro contrato de 46 milhões de doses da CoronaVac para o Ministério da Saúde será feita em maio, não mais em abril como previsto inicialmente.

"Em maio, até o dia 10, nós entregaremos as 46 milhões, e já iniciamos a entrega dos 54 milhões adicionais", disse Covas em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado de São Paulo, ao qual o Butantan é vinculado.

O contrato do Butantan com o ministério prevê a entrega de 46 milhões de doses da vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac até o final de abril. Desse total, o instituto entregou até o momento 40,7 milhões de doses à pasta.

Entretanto, houve um atraso na chegada do insumo farmacêutico ativo (IFA) da vacina importado da China, inicialmente previsto para a semana passada, mas que, segundo informação dada pelo presidente do Butantan na coletiva no palácio, chegará na próxima segunda-feira.

"Hoje nós recebemos a confirmação da chegada de 3 mil litros de matéria-prima para o dia 19, e isso permitirá a produção de mais de 5 milhões de doses que serão entregues para completar o primeiro contrato com o ministério e já iniciar o segundo contrato de 54 milhões", afirmou.

O contrato do Butantan com o ministério prevê, após a conclusão da entrega de 46 milhões de doses, a venda de mais 54 milhões de doses da CoronaVac, que devem ser entregues contratualmente até setembro, mas que o instituto promete antecipar para agosto.

Mais cedo, em entrevista coletiva na sede do instituto, Covas disse que o Butantan também aguarda autorização do governo da China para a importação de um segundo lote de 3 mil litros de IFA, suficientes para mais de 5 milhões de doses. Inicialmente, o Butantan afirmava que esse segundo lote chegaria ainda em abril, mas como ainda não há autorização por Pequim, esse prazo não deve ser cumprido.

A CoronaVac responde atualmente pela esmagadora maioria das doses sendo aplicadas na campanha nacional de vacinação contra a Covid-19 no Brasil, já que o envase de doses da vacina da AstraZeneca pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), vinculada ao governo federal, está atrasado.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.