Feriado em São Paulo na segunda? Alesp aprova, mas falta sanção de Doria

Emendas serão votadas nesta sexta-feira (22) na Alesp antes de projeto ir para sanção do governador João Doria

A Assembleia Legislativa de São Paulo aprovou, na madrugada desta sexta-feira, 21, o projeto de lei que antecipa o feriado estadual da Revolução Constitucionalista de 9 de julho para a próxima segunda-feira, 25. A medida foi proposta pelo governador João Doria (PSDB) e é parte da estratégia para aumentar a taxa de isolamento social e evitar medidas mais drásticas para conter a disseminação do novo coronavírus.

O projeto de lei enviado pelo governador João Doria (PSDB), com o objetivo de tentar ampliar o isolamento social no Estado, passou com 57 votos a favor e 5 contra.

Logo após a votação, os deputados passaram a apreciar emendas ao texto original. Após o fim do processo, o texto será encaminhado para a sanção de Doria.

Depois, o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), Cauê Macris (PSDB), encerrou às 4 horas desta sexta-feira, 22, a sessão extraordinária que iria apreciar as emendas ao projeto, aprovado mais cedo, que antecipa o feriado estadual de 9 julho para a segunda-feira, 25.

A decisão do tucano foi motivada pela falta de quórum. Uma nova sessão foi marcada para esta sexta, às 10 horas.

Sem a conclusão da votação das emendas, o projeto não poderá seguir para a sanção do governador João Doria (PSDB), de quem partiu a iniciativa de antecipar o feriado para tentar aumentar o isolamento social no Estado e diminuir a disseminação do novo coronavírus.

Com a antecipação, a cidade de São Paulo, a mais atingida pela pandemia do coronavírus no país, tem um megaferiado de seis dias que começou na quarta-feira, 20, com a antecipação de dois feriados municipais.

Corpus Christi, previsto para 11 de junho, e Consciência Negra, marcado para 20 de novembro, foram transferidos para a quarta e a quinta-feira. Na sexta é ponto facultativo.

No Plano São Paulo, protocolo estabelecido pelo Comitê da Saúde do governo do estado no enfrentamento à covid-19, há alguns quesitos para afrouxar a quarentena. Um deles é a taxa de isolamento social, medida diariamente. É justamente neste ponto que o megaferiado pode influenciar.

A meta é atingir, pelo menos, 55% de isolamento social. Durante a semana, este índice tem ficado abaixo dos 50%. Somente aos finais de semana e feriados é que a taxa sobe.

Apesar de ter aumentado, o isolamento social no primeiro dia do feriado prolongado não chegou ao ideal. A taxa na capital passou de 49%, na terça-feira, para 51%, na quarta. No estado o valor também subiu, passando de 48% para 49%.

“Os feriados não foram antecipados para diversão, lazer e viagem, foram antecipado para garantia da vida. Mas temos que ir além. A recomendação da saúde é para que tenha um índice de 55% de isolamento”, disse Doria em entrevista nesta quinta-feira.

Questionado sobre se com este patamar de isolamento, o lockdown seria o próximo passo, o governador disse que ainda é cedo para ter um diagnóstico.

“Vamos aguardar o resultado na segunda-feira e aí poderemos avaliar quais são os próximos passos. Um passo de cada vez”, afirmou.

O estado de São Paulo passou a marca dos 70 mil infectados pela covid-19. Agora são 73.739 casos confirmados e 5.558. Em um dia foram mais 4.080 testes positivos e 195 vítimas. Os dados foram atualizados pela Secretaria de Saúde.

Feriadão no litoral

As cidades do litoral de São Paulo ficaram atentas quando a capital decretou o feriadão. A preocupação era de que muitos paulistanos descessem a Serra.

Mesmo com barreiras e até mandando turistas de volta para casa, houve queda no isolamento social do litoral no primeiro dia do feriadão, com um número alto de visitantes.

Houve queda no isolamento, por exemplo, em Ubatuba, (de 61% para 57%), Caraguatatuba (de 55% para 51%) e São Sebastião (de 63% para 61%), que restringiram a entrada de veículos.

Apesar da diminuição na taxa de isolamento social, o movimento no Sistema Anchieta-Imigrantes ficou 35% menor no primeiro dia da folga prolongada. Segundo o governo, na quarta-feira da semana passada 49.294 veículos passaram pelas rodovias que vão ao litoral. Ontem esse número ficou em 31.905.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.