Áreas pacificadas no Rio têm índices de 1º mundo, diz Pezão

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), falou a empresários no evento Encontros EXAME.

São Paulo – O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), disse que não alimenta a “utopia” de acabar com o tráfico de drogas no Rio de Janeiro e defendeu a política de pacificação de favelas no estado. O modelo das UPPs tem sido questionado após o aumento da violência em áreas como o Complexo do Alemão.

“Recrudesceu o crime no Alemão? Sim. Mas não é em todo o Alemão. O importante é que essas comunidades pacificadas têm índices hoje de países de primeiro mundo. O Dona Marta está há cinco anos sem ver uma morte”, afirmou nesta terça-feira, no evento Encontros EXAME.

No encontro, Pezão falou a empresários de diversos setores sobre o ambiente de negócios e as oportunidades no Rio de Janeiro. O governador apresentou informações sobre investimentos públicos e elencou dados sobre educação e segurança do estado.

Dentre as conquistas dos cariocas nos últimos anos, Pezão destacou o desempenho do estado no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica). “Éramos o 26º estado no Ideb, na frente apenas do Piauí. Hoje estamos em 4º lugar. E somos os primeiros no Enem”, comemora.

Petróleo

O governador aproveitou também para criticar a lentidão no processo de aprovação de obras públicas no Brasil. “Essa é uma das razões porque vamos partir para as PPPs [Parcerias Público-Privadas]”, afirmou. Ontem, o governo do Rio lançou um programa de Parcerias Público-Privadas como prioridade para as áreas de saneamento, mobilidade e tecnologia.

“Para fazer o Arco Metropolitano, no Rio, tínhamos 14 órgãos de fiscalização e ambientais. Foi muito difícil tirar isso do papel. E com essa demora vêm os aumentos, porque o empresário contratado não vai ficar parado pagando funcionário”, concluiu.

Outro tema abordado pelo governador foi a divisão dos royalties do petróleo. “82% da produção nacional de petróleo vem do Rio, e está tudo quanto governador querendo royalties do petróleo”, disse. Segundo Pezão, caso o dinheiro fosse repartido entre estados e municípios “isso quebraria Rio de Janeiro e Espírito Santo, e não resolveria o problema de ninguém”.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também