Brasil

Após viagem a Israel, Bolsonaro diz que não quer "encrenca" com árabes

Visita a Benjamin Netanyahu acirrou ainda mais os ânimos entre a comunidade árabe e o governo federal

Jair Bolsonaro: presidente brasileiro terá que lidar com reclamações de setores exportadores na volta ao país (Ueslei Marcelino/Reuters)

Jair Bolsonaro: presidente brasileiro terá que lidar com reclamações de setores exportadores na volta ao país (Ueslei Marcelino/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 4 de abril de 2019 às 06h39.

O presidente Jair Bolsonaro encerrou sua visita a Israel na quarta-feira, 3,dizendo que não quer "encrenca" com os países árabes. "Não estamos procurando encrenca com ninguém. Quero é solução", disse, antes de embarcar para Brasília.

No domingo, primeiro dia de sua viagem a Israel, Bolsonaro anunciou a abertura de um escritório comercial na cidade de Jerusalém, disputada por israelenses e palestinos. A Autoridade Palestina condenou a decisão e prometeu contactar seu embaixador no Brasil, Ibrahim Al-Zeben.

O Hamas, grupo extremista islâmico que controla a Faixa de Gaza, também criticou a visita de Bolsonaro a Israel. Em nota, o grupo afirmou que a viagem não apenas contradiz a histórica atitude do povo brasileiro de apoio à causa palestina, como também viola leis internacionais.

Em resposta, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente, mandou um recado ao Hamas, considerado uma organização terrorista por Israel e Estados Unidos. “Quero que vocês se EXPLODAM!!!”, postou Flávio, com a imagem do título de uma reportagem do site EXAME que noticiava as críticas do grupo à visita. Horas após a publicação, não é mais possível acessar a postagem. O Twitter informa que o conteúdo não está mais disponível.

Em seu último dia de visita a Jerusalém, Bolsonaro tentou reconstruir a relação com os árabes, que importam carne e açúcar do Brasil. "Respeito o povo palestino, não posso concordar com grupos terroristas. Aí complica, né? Se não, estaria contra a minha biografia, eu que combati esse pessoal da esquerdalha desde 70", afirmou o presidente.

O embaixador palestino no Brasil disse ao jornal O Estado de S. Paulo na segunda-feira, 1º, que deve permanecer no Brasil pelo menos até o retorno de Bolsonaro. Ele ainda esperava conseguir uma audiência com o presidente após o retorno, solicitada por ele e outros embaixadores de países árabes há mais de 15 dias. O embaixador criticou o anúncio da criação do escritório em Jerusalém e sugeriu que o Brasil abra uma representação similar em Jerusalém Oriental, região que os palestinos almejam como capital de um futuro Estado. A área foi ocupada por Israel em 1967. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Acompanhe tudo sobre:Autoridade PalestinaConflito árabe-israelenseGoverno BolsonaroHamasIsrael

Mais de Brasil

Governo cria sistema de emissão de carteira nacional da pessoa com TEA

Governo de SP usará drones para estimar número de morte de peixes após contaminação de rios

8/1: Dobra número de investigados por atos golpistas que pediram refúgio na Argentina, estima PF

PEC que anistia partidos só deve ser votada em agosto no Senado

Mais na Exame