Após fala de Heleno, Maia diz que ministro é contra democracia

Nesta terça, general Augusto Heleno disse que governo deveria se opor a chantagens do Congresso
Rodrigo Maia: "O ministro, pelo jeito, está ficando mais velho e está falando como um jovem, um estudante no auge da sua juventude" (Ueslei Marcelino/Reuters)
Rodrigo Maia: "O ministro, pelo jeito, está ficando mais velho e está falando como um jovem, um estudante no auge da sua juventude" (Ueslei Marcelino/Reuters)
A
Agência O Globo

Publicado em 19/02/2020 às 13:36.

Última atualização em 19/02/2020 às 15:18.

Brasília — O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), reagiu na manhã desta quarta-feira à sugestão feita pelo ministro Augusto Heleno ao presidente Jair Bolsonaro, de enfrentar o que chamou de  'chantagem' do Congresso em relação aos vetos da Lei de Diretrizes Orçamentárias, que ainda precisam ser analisadas pelos parlamentares.

Ao chegar à Câmara, Maia afirmou que a postura do ministro é "triste" e que ele se comporta como um adolescente ao agredir o Parlamento.

Durante a reunião ministerial com Bolsonaro ontem, Heleno chegou a bater na mesa afirmando que Bolsonaro precisava "convocar o povo às ruas" e não ceder “às chantagens” do Congresso. Bolsonaro, porém, pediu cautela e aconselhou a articulação política a costurar novo acordo.

Maia comentou hoje:

"Geralmente, na vida, quando a gente vai ficando mais velho, a gente vai ganhando equilíbrio, experiência e paciência. O ministro, pelo jeito, está ficando mais velho e está falando como um jovem, um estudante no auge da sua juventude. É uma pena que o ministro com tantos títulos tenha se transformado num radical ideológico contra a democracia, contra o Parlamento. Muito triste. Não vi por parte dele nenhum tipo de ataque quando a gente estava votando o aumento do salário dele como militar da reserva", afirmou o presidente da Câmara.

Maia também afirmou que a postura do ministro ultimamente em relação ao Parlamento seria melhor aproveitada em um "gabinete de rede social, tuitando, agredindo, como muitos têm feito".

"Não é a primeira vez que ele ataca, mas dessa vez veio a público. É uma pena. Todos nós sabemos da competência dele na carreira militar. É uma pena que ele considere a relação com um Parlamento que tanto tem produzido para o Brasil, muitas vezes em conjunto com o governo, principalmente com a equipe econômica, como um Parlamento que quer chantagear. Muito pelo contrário. Esse Parlamento se quisesse apenas deixar as pautas correrem soltas, o governo não ganhava nada aqui dentro. Tudo é feito por responsabilidade com o Brasil", concluiu Maia.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), também reagiu ao comentário de Heleno sobre o Congresso Nacional. "Nenhum ataque à democracia será tolerado pelo Parlamento", afirmou Alcolumbre em nota enviada à imprensa.

"O Congresso Nacional seguirá cumprindo com as suas obrigações", escreveu o parlamentar, defendendo "democracia, independência e harmonia dos Poderes".