Ação com 80 tiros: Bolsonaro mandou apurar o “que tem que ser apurado”

Após três dias do crime, essa é a 1ª vez que o presidente se pronuncia; Ministro da Defesa classificou a ação dos militares como "lamentável"

Brasília – O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, disse nesta quarta-feira, 10, que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) mandou apurar “o que tem que ser apurado” sobre os 80 tiros disparados por militares contra o veículo de uma família no Rio de Janeiro. “O presidente falou: apure o que tem que ser apurado”, disse Azevedo e Silva ao afirmar que disparar 80 tiros não é normal.

No último domingo, dez militares dispararam mais de 80 tiros contra um veículo em Guadalupe, zona norte do Rio, que supostamente foi confundido com um automóvel em que estariam criminosos. No carro estavam o músico Evaldo Rosa dos Santos, de 46 anos, e sua família. O músico morreu no local e duas pessoas ficaram feridas.

O ministro participa de audiência pública na Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados. Azevedo e Silva fala sobre os planos de sua pasta para 2019.

Mais cedo, na mesma audiência, o ministro classificou como “lamentável e triste incidente” a ação dos militares e disse que as Forças Armadas vão “cortar na própria carne”.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

ATENÇÃO: Mudança na sua assinatura da revista EXAME. A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos apenas uma edição por mês. Saiba mais