• AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

Xiaomi fecha parceria com a B2W para venda de smartphones

Celulares da fabricante chinesa serão comercializados nos sites Americanas.com, Submarino e Shoptime a partir de quarta-feira (19)
Xiaomi: aparelhos chineses chegam às lojas Americanas.com, Submarino e Shoptime já nesta semana (Reuters/Bobby Yip)
Xiaomi: aparelhos chineses chegam às lojas Americanas.com, Submarino e Shoptime já nesta semana (Reuters/Bobby Yip)
Por Rodrigo LoureiroPublicado em 18/06/2019 15:54 | Última atualização em 18/06/2019 16:32Tempo de Leitura: 3 min de leitura

São Paulo – A Xiaomi firmou uma parceria com a empresa de e-commerce B2W para impulsionar a venda de seus smartphones no País. Com o acordo, os celulares da fabricante chinesa vão chegar às prateleiras digitais dos sites Americanas.com, Submarino e Shoptime a partir de quarta-feira (19). A informação foi obtida com exclusividade por EXAME.

Os primeiros aparelhos a serem comercializados serão os modelos Mi 9, Mi 8 Lite, Redmi Note 7, Redmi 7, Redmi Go, Redmi Note 6 Pro e Pocophone F1. A importação e a distribuição dos produtos será feita pela DL, empresa brasileira que é o braço logístico da Xiaomi por aqui. Assim, a B2W ficará responsável apenas pela “última perna” da operação de transporte, o envio dos produtos aos clientes após a compra.

Vale lembrar que já é possível encontrar os celulares e também outros produtos da companhia em sites brasileiros. No entanto, até o momento, esses aparelhos são comercializados no modelo de marketplace, em que outros lojistas usam as plataformas digitais para a venda de seus produtos. No caso da parceria com a B2W, a venda será feita pela própria varejista, que também ficará responsável pelo pós-venda em conjunto com a fabricante chinesa.

Para a varejista brasileira, a parceria é a chance de impulsionar as vendas de eletrônicos. Segundo um levantamento do site comparador de preços Zoom, as pesquisas por smartphones da empresa Xiaomi cresceram 254% no primeiro trimestre deste ano em comparação com o mesmo período de 2018.

Outro ponto importante da negociação entre as companhias é que não há um contrato de exclusividade. A fabricante de Pequim está livre para fechar parcerias com outras empresas do ramo, como o Magazine Luiza, por exemplo, e também para manter seu próprio e-commerce em seu site oficial.

Essa é mais uma tentativa da Apple chinesa, como é apelidada, para conseguir vingar sua operação no Brasil. Na primeira vez em que esteve por aqui, em 2015, a fabricante obteve vendas insuficientes e não foi capaz de bater de frente contra as líderes de mercado Samsung, Motorola, LG, Asus e Apple. Pouco mais de um ano depois, a operação foi encerrada.

Para não cometer os mesmos deslizes de três anos atrás, a companhia quer impulsionar suas vendas pela internet, mas sem esquecer do varejo físico. A companhia vende celulares nas lojas Pernambucanas e também no Ricardo Eletro e, no começo de junho, inaugurou sua primeira loja no País, localizada no Shopping Ibirapuera, em São Paulo.

Procurada para comentar a parceria, a B2W não retornou os contatos da reportagem.