Smart TVs: 89% já usam TV conectada no Brasil; streaming é principal razão

Pesquisa da Smartclip com a Nielsen mostra que isolamento social e serviços de streaming tornaram o aparelho atraente para 89% dos participantes, sendo 77% da classe CDE
Smart TVs: de acordo com estudo, 2 em cada 3 pessoas assistem com pelo menos mais uma pessoa junto (GettyImages/Getty Images)
Smart TVs: de acordo com estudo, 2 em cada 3 pessoas assistem com pelo menos mais uma pessoa junto (GettyImages/Getty Images)
L
Laura Pancini

Publicado em 23/04/2021 às 12:00.

Última atualização em 23/04/2021 às 12:36.

A Smartclip, companhia global especializada na distribuição de publicidade em vídeo multitelas, em parceria com a Nielsen, empresa global de dados e análises da indústria de mídia, publicou um estudo sobre a presença da TV Conectada (ou Smart TVs) na casa dos brasileiros.

O estudo, realizado em março de 2021, ouviu 500 respondentes em todas as regiões do país. O que foi descoberto é que 89% dos participantes possuem uma TV Conectada em casa, uma diferença gigantesca em comparação a 2015, quando o número era 32% — uma diferença de 57%.

As TVs Conectadas vêm ganhando seu destaque à medida que os serviços de streaming crescem e a conexão com a Internet acaba sendo mais valiosa do que uma assinatura.

Apesar de a plataforma estar presente em praticamente todos da classe A (99%) e B (95%), ela também tem presença em 77% de CDE, com destaque para a C, com 83% de utilização. “Cada vez mais o produto se populariza, acompanhando a digitalização acelerada do brasileiro”, afirmou Sabrina Balhes, líder de Measurement da Nielsen Brasil. 

Porém, o preço ainda é a principal barreira para 57% dos respondentes. Outros fatores que seguram alguns consumidores na hora da compra são: não costuma assistir TV com frequência (27%); não pretende trocar de TV (19%); não possui internet banda larga (13%) e tem TV à cabo (9%).

Balhes salienta que 23% dos participantes afirmam “utilizar dispositivos que transformam as TVs normais em conectadas” para driblar o preço, fazendo referência a dispositivos como o Chromecast, do Google, e o Fire TV Stick, da Amazon, que transformam a televisão normal em uma Smart TV, com acesso a streamings, aplicativos e mais. 

Variedade de conteúdo é maior atrativo

O esforço para estar mais conectado deve-se à variedade de conteúdos de vídeo sob demanda disponíveis e poder assistir a o que quer na hora que quer. Não por acaso, o isolamento social, provocado pela pandemia do coronavírus, potencializou o consumo de conteúdo dos aplicativos pelos dispositivos, sejam eles gratuitos ou pagos: 80% dos respondentes declararam que utilizam TV Conectada diariamente.

Com isso, todos os segmentos de programação registraram crescimento em relação ao estudo feito em 2015 pelas duas companhias:

  • Séries e filmes tiveram um aumento de 24%, indo de 69% a 93%;
  • Noticiários cresceram 50%, subindo de 17% para 67%; 
  • Esportes foram de 10% para 53%; um aumento de 43%
  • Música e shows subiram de 4% para 50% com seu crescimento de 46%
  • Games, que não haviam aparecido no primeiro estudo, hoje é consumido por 26%.

Outro comportamento revelado é sobre a forma como os usuários usam o aparelho: 2 em cada 3 pessoas assistem com pelo menos mais uma pessoa junto. Quem não assiste sozinho, costuma estar acompanhado de familiares e amigos. Sendo assim, a média é de 2 pessoas em frente a tela.

Oportunidade para empresas

De acordo com os dados, a Smart TV é o segundo dispositivo no qual as pessoas mais prestam atenção nos anúncios. Para Lilian Prado, Managing Director da Smartclip Brasil, “as telas grandes retém muito mais a atenção dos consumidores. Geralmente, no momento em que estão zapeando pelos aplicativos para escolher o conteúdo que será consumido, eles estão com o foco direcionado.”

Prado ressalta que mais de 80% dos respondentes afirmaram procurar mais informações de pelo menos um anúncio que visualizaram na CTV. “Motivo que faz do dispositivo uma excelente estratégia para a veiculação de campanhas publicitárias”, afirma.

Por último, o uso de QR Codes também foi um destaque do estudo. 58% das pessoas escaneiam os códigos que aparecem na TV e 81% já realizaram, ao menos uma vez, compras através do QR Code.