Noah Glass é o Eduardo Saverin do Twitter?

Evan Williams, fundador do Twitter, reconhece que o site teve um terceiro fundador. É Noah Glass, que sugeriu o nome Twitter e, depois, foi posto para fora pelos sócios

São Paulo — Uma reportagem da publicação de negócios Business Insider sobre as origens do Twitter levou o co-fundador do microblog, Evan Willians, a admitir que sua empresa teve grande colaboração de uma terceira pessoa. Oficialmente, Biz Stone e Evan Willians são os dois criadores do microblog que se tornou febre na internet e soma mais de 180 milhões de usuários no mundo.

Sob o título “A real história do Twitter”, a publicação americana narra a trajetória de Noah Glass, um programador que teria atuado intensamente na criação do serviço. Na descrição publicada pela Business Insider, que não conseguiu entrevistar Stone ou Willians para ouvir suas versões, Noah foi quem decidiu o nome do produto. Ao consultar nomes num dicionário de língua inglesa, Noah teria se encantado com a sonoridade da palavra Twitter.

Em post em seu perfil no microblog, Willians reconhece que foi mesmo Noah quem decidiu o nome que o produto tem até hoje. “É verdade que @Noah nunca recebeu crédito suficiente por seu trabalho inicial no Twitter. Ele foi quem nos apresentou o nome (Twitter), que foi uma ideia brilhante”, postou.

A assessoria que cuida das relações do Twitter com a imprensa negou-se a comentar tanto a reportagem da Business Insider quanto o comentário de Williams. A mesma reportagem responsabiliza Ev por ter excluído Noah da companhia. O co-fundador teria convencido Biz Stone e investidores da plataforma a tirar Noah de posições de decisão dentro da startp-up e pressionado o programador a deixar a companhia. As declarações de Williams acontecem num momento em que ele próprio está deixando o Twitter para criar uma nova empresa, que comandará sozinho.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.