A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Lamborghini faz parceria com MIT para supercarro elétrico

Os carros da próxima geração Lamborghini poderiam funcionar com suas próprias baterias superpoderosas e ser capazes de se reparar sozinhos

Os carros da próxima geração Lamborghini poderiam funcionar com suas próprias baterias superpoderosas e ser capazes de se reparar sozinhos.

A Automobili Lamborghini apresentou seu conceito chamado de Terzo Millennio (“terceiro milênio”) na conferência EmTech em Cambridge, Massachusetts, nos EUA, na segunda-feira. O carro é o resultado dos primeiros 12 meses de uma parceria de três anos entre a fabricante de carros e o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês).

Fiel à tradição da Lamborghini, o carro tem um design aerodinâmico e os famosos faróis traseiros com forma de Y da marca. O para-brisa parece ir do teto do carro quase até os dedos dos pés do motorista e a carroceria é tão baixa que até parece uma extensão da estrada.

Mas os aspectos mais notáveis do carro são invisíveis -- e não apenas porque eles ainda não existem.

A Lamborghini planeja criar supercapacitores capazes de fornecer a energia rápida e intensa necessária para alimentar um supercarro -- e fabricar modelos totalmente elétricos. As baterias de íon-lítio dos carros elétricos atuais liberam energia mais lentamente e se esgotam após várias cargas porque dependem de reações químicas.

Os supercapacitores armazenam energia fisicamente e não geram o calor dos íons-lítio, porém ainda não liberam tanta energia. Atualmente, a tecnologia é usada em veículos híbridos, mas para funções limitadas, como a reativação dos motores.

Inovação

A Lamborghini também pretende fabricar os supercapacitores com painéis de fibra de carbono que podem ser usados para fabricar a carroceria do carro -- de modo que o Terzo Millennio extrai energia de sua própria carroceria. Em outras palavras: o automóvel em si é a bateria.

Além disso, o conceito promete um carro que será capaz de monitorar continuamente a condição de sua própria estrutura, detectando desgaste e estragos. Microcanais com “curas químicas” na carroceria de fibra de carbono repararão automaticamente pequenas fissuras que, caso contrário, se expandiriam.

Para finalizar, a empresa deslocará os motores elétricos para as rodas, eliminando a necessidade de um motor grande.

“Para o nosso departamento de pesquisa e desenvolvimento, colaborar com o MIT é uma oportunidade excepcional para fazer o que a Lamborghini sempre fez muito bem -- reescrever as regras dos supercarros esportivos”, disse Stefano Domenicali, presidente e CEO da Automobili Lamborghini.

A Lamborghini foi criada na década de 1960 em Sant’Agata Bolognese, Itália, quando Ferruccio Lamborghini, fabricante de tratores que tinha se tornado um rico industrial, decidiu que queria superar a Ferrari. Hoje, a empresa faz parte do Volkswagen Group e o preço inicial de seus carros é de cerca de US$ 200.000.

Não há orientação de preços nem prazos para o Terzo Millennio -- um modelo de produção só estará disponível daqui a muitos anos, se chegar a essa etapa. Mas, na verdade, a acessibilidade não é um conceito que a Lamborghini esteja preocupada em explorar.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também