Tecnologia

Jogar 2h de videogame por semana traz benefícios, diz estudo

O estudo constatou que jogar 9 horas ou mais por semana se associa à presença de problemas de conduta, conflitos com companheiros e menores habilidades sociais


	Videogame: as crianças que jogam videogames têm melhores habilidades motoras
 (GETTY IMAGES)

Videogame: as crianças que jogam videogames têm melhores habilidades motoras (GETTY IMAGES)

DR

Da Redação

Publicado em 6 de setembro de 2016 às 11h59.

Barcelona - Duas horas de videogame por semana pode ser benéfico, mas jogar nove horas semanais já pode ser associado a problemas de conduta e menos habilidades sociais, segundo um estudo feito por pesquisadores do Hospital do Mar e do Instituto de Saúde Global (ISGlobal) de Barcelona.

O estudo, que orienta sobre quantas horas por semana são apropriadas para que as crianças em idade escolar joguem videogames, foi publicado na revista científica "Annals of Neurology".

O trabalho, liderado pelo doutor Jesús Pujol, médico do serviço de Radiologia do Hospital do Mar e pesquisador do Instituto Hospital do Mar de Investigações Médicas (IMIM) tenta encontrar a relação entre as horas por semana dedicadas a jogar aos videogames e certas habilidades intelectuais e problemas de conduta em 2.442 crianças de entre 7 e 11 anos.

As crianças que jogam videogames têm melhores habilidades motoras e um melhor rendimento escolar, embora duas horas por semana sejam suficientes para obter estes benefícios.

O estudo constatou que jogar nove horas ou mais por semana se associa à presença de problemas de conduta, conflitos com os companheiros e menores habilidades sociais.

Na análise das imagens de ressonância magnética do cérebro de um subgrupo de crianças, é possível observar que o uso dos videogames "estava associado a um melhor funcionamento de circuitos cerebrais que são importantes para a aquisição de novas habilidades através da prática, concretamente das conexões entre os gânglios basais e os lóbulos frontais", explicou Pujol.

Segundo o pesquisador, "tradicionalmente, as crianças adquirem as habilidades motoras através da ação, por exemplo com esportes e jogos ao ar livre.

A pesquisa sugere agora que o treino com os entornos virtuais e de computador é capaz também de modificar os circuitos do cérebro que se ocupam da aprendizagem de habilidades motoras".

Os especialistas concluíram que os videogames em si não são nem bons e nem maus, mas a quantidade de tempo investida nele faz com que seja uma coisa ou outra. 

Acompanhe tudo sobre:BrinquedosCriançasJogos online

Mais de Tecnologia

Apagão cibernético afetou 8,5 milhões de computadores da Microsoft

Uber apresenta instabilidade no app nesta sexta-feira

Zuckerberg diz que reação de Trump após ser baleado foi uma das cenas mais incríveis que já viu

Companhias aéreas retomam operações após apagão cibernético

Mais na Exame