Tecnologia
Acompanhe:

Grupo Anonymous ataca Temer e apoia greve dos caminhoneiros

Hackers vazaram dados atribuídos ao presidente Michel Temer e fazem modificações em sites

 (Vincent Diamante/Wikimedia Commons/Reprodução)

(Vincent Diamante/Wikimedia Commons/Reprodução)

L
Lucas Agrela

Publicado em 29 de maio de 2018, 06h00.

Última atualização em 29 de maio de 2018, 06h00.

São Paulo – Um grupo de hackers brasileiros ligado aos Anonymous declarou apoio à greve dos caminhoneiros e se opôs à medida tomada pelo presidente Michel Temer de autorizar que as Forças Armadas desbloqueassem as rodovias.

Os hackers também publicaram dados pessoais que seriam do presidente em uma página no site Ghostbin. Não iremos linkar o conteúdo aqui para não dar mais vazão a ele.

A #OpCaminhoneiros motiva uma série de ataques hacker que são compartilhados no Twitter. Dados pessoais atribuídos a funcionários públicos foram publicados na internet e sites foram invadidos e modificados para exibir mensagens em prol da paralisação.

Veja o tuíte inicial sobre o posicionamento da célula brasileira ligada ao Anonymous.

https://twitter.com/anonopsbrazil/status/1000082515774857216