Tecnologia

Google começa testes de carros autônomos para o público em São Francisco

Os SUVs Jaguar I-Pace totalmente elétricos estão funcionando nas regiões mais residenciais da cidade

Veículo autônomo da Waymo, em San Francisco, Califórnia. (Foto/Reuters)

Veículo autônomo da Waymo, em San Francisco, Califórnia. (Foto/Reuters)

A Waymo, empresa filha da Alphabet, dona do Google, começou a circular com passageiros de São Francisco em suas SUVs autônomas e espera abrir os robotáxis para qualquer pessoa em menos do que os três anos que levou para lançá-los.

O anúncio desta terça-feira mostra o quanto ainda falta antes que o transporte sem motorista se torne comum.

Os SUVs Jaguar I-Pace totalmente elétricos estão por enquanto funcionando nas regiões mais residenciais da cidade. Os operadores sentam-se no banco do motorista, com as mãos no joelho - mas preparados para dirigir em caso de emergência.

Qualquer um pode se inscrever no aplicativo, mas a empresa está selecionando a dedo quem receberá o serviço, e espera-se que a lista cresça gradualmente para centenas de pessoas. Sam Kansara, diretor sênior de produtos do Waymo, reconheceu que veículos autônomos estão sendo lançados mais devagar do que a Waymo e seus rivais haviam imaginado.

"Ainda há muito a ser feito", disse Kansara. "Este é um passo em que obteremos mais informações para podermos informar nosso roteiro".

Espera-se que os passageiros falem sobre os desafios de embarcar e desembarcar nos carros por causa do espaço limitado da calçada de São Francisco e os estacionamentos em fila dupla.

Em outubro passado, a Waymo começou a permitir a compra de corridas em suas minivans totalmente autônomas Chrysler Pacifica em alguns subúrbios de Phoenix, Arizona.

Acompanhe tudo sobre:Carros autônomosGoogle

Mais de Tecnologia

Apagão cibernético afetou 8,5 milhões de computadores da Microsoft

Uber apresenta instabilidade no app nesta sexta-feira

Zuckerberg diz que reação de Trump após ser baleado foi uma das cenas mais incríveis que já viu

Companhias aéreas retomam operações após apagão cibernético

Mais na Exame