Gilbert Baker, criador da bandeira LGBT, é homenageado com doodle

O artista e ativista americano, que completaria hoje 66 anos, criou um dos maiores símbolos de representatividade do mundo

São Paulo – As páginas do Google desta sexta-feira (2) estão coloridas com as cores da bandeira LGBT, em homenagem ao aniversário de seu criador, o americano Gilbert Baker. Hoje, o artista e ativista pelos direitos dos homossexuais, nos anos 70, completaria 66 anos. Para reconhecer a sua importância política e histórica, o site criou um doodle animado.

 (Google/Reprodução)

Baker nasceu no Kansas em 1951, mas foi em São Francisco, no início dos anos 70, que o até então soldado do exército americano, se descobriu como costureiro. Na época, a luta pelos direitos LGBT começava a florescer e sua amizade com Harvey Milk, político e um dos maiores ativistas da causa de todos os tempos, o incentivou a costurar faixas para passeatas a favor dos direitos dos homossexuais. A história diz que Milk desafiou Baker a criar um símbolo de orgulho para a comunidade – e parece que ele conseguiu.

Hoje, a bandeira criada por Gilbert Baker é de domínio público e hoje considerada um dos símbolos de luta mais reconhecidos do mundo.

A criação da bandeira

A primeira aparição da bandeira com as cores do arco-íris foi na Parada do Dia da Liberdade Gay de São Francisco, em 25 de junho de 1978, poucos meses antes do assassinato de Harvey Milk, em novembro. A história do político foi contada em 2008 no filme “Milk – a voz da igualdade”, estrelado por Sean Penn.

Morte de Gilbert Baker

O artista faleceu em 31 de março deste ano, aos 65 anos. Sua morte foi anunciada por Cleve Jones, seu amigo de longa data e também ativista pelos direitos dos LGBT.

“Meu amigo mais querido do mundo se foi. Gilbert Baker deu ao mundo a bandeira do arco-íris, ele me deu quarenta anos de amor e amizade”, disse Cleve Jones no Twitter.

Nenhum detalhe sobre a causa de sua morte foi disponibilizada. De acordo com a biografia postada em seu site oficial, ele estava morando em Nova York.

Suporte a Exame, por favor desabilite seu Adblock.