Facebook quer crianças no Instagram. Pais vão deixar?

O Facebook precisará convencer muitos pais céticos ao planejar uma versão infantil do Instagram, seu principal aplicativo de compartilhamento de fotos, um projeto que a empresa de Mark Zuckerberg quer tirar do papel logo

home_materia_facebook_instagram_youth O Facebook precisará convencer muitos pais céticos ao planejar uma versão infantil do Instagram, seu principal aplicativo de compartilhamento de fotos, um projeto que a empresa de Mark Zuckerberg quer tirar do papel logo

O Facebook precisará convencer muitos pais céticos ao planejar uma versão infantil do Instagram, seu principal aplicativo de compartilhamento de fotos, um projeto que a empresa de Mark Zuckerberg quer tirar do papel logo (SOPA Images/Getty Images)

Na primavera passada, quando Lauren Mull Anglin soube que o Facebook tinha uma versão de seu aplicativo Messenger para crianças, sua mente imediatamente voltou-se para o registro irregular da rede social sobre questões de segurança de dados e privacidade . Por outro lado, a filha de 7 anos de Lauren costumava usar a conta da mãe para chamadas de vídeo, e o aplicativo a colocava no comando das interações de seus filhos.

Desta forma, Lauren,  uma profissional de assistência médica, de 31 anos, da Geórgia, conseguiu manter os filhos fora do aplicativo por algumas semanas enquanto ela e um amigo o usavam. Ao final, os adultos ficaram satisfeitos que o app era seguro, e agora sua filha não precisa incomodá-la toda vez que quisesse conversar com o primo. “Não quero parecer ingênua”, diz  Lauren, antes de catalogar as inúmeras maneiras como o aplicativo permite que ela policie a atividade de seus filhos, recursos que, segundo ela, funcionam melhor do que os semelhantes em outros aplicativos para crianças. “Quer dizer, é ótimo”, ela conclui.

O Facebook precisará convencer muitos pais céticos ao planejar uma versão infantil do Instagram, seu principal aplicativo de compartilhamento de fotos. A versão padrão exige que os usuários tenham 13 anos, mas o Facebook diz que o novo aplicativo dará aos pré-adolescentes acesso à maioria dos mesmos recursos, o que provavelmente significa a capacidade de postar e compartilhar fotos e vídeos, curtir e seguir contas e usar filtros de fotos. “Não parece que você está vendo uma versão reduzida”, diz Adam Mosseri, o principal executivo do Instagram. Os pré-adolescentes que a empresa tem como alvo, acrescenta ele, "não querem a versão infantil".

O Instagram Youth, como o serviço está sendo chamado internamente, também terá controles dos pais semelhantes à versão infantil do Messenger. A empresa reconhece que muitos pré-adolescentes já usam o Instagram, e os executivos dizem que o Instagram Youth oferece a eles uma alternativa para mentir sobre a própria idade. A empresa ainda não consolidou os recursos do aplicativo e tampouco compartilhou um cronograma para seu lançamento.

O Facebook não planeja ganhar dinheiro diretamente com nenhum de seus aplicativos voltados para os jovens. Em vez disso, está tentando moldar os hábitos de rede social dos filhos de seus 3,5 bilhões de usuários globais. O Messenger Kids é popular entre crianças de 6 a 8 anos, e o Instagram Youth pode fornecer uma ligação que mantém os usuários engajados até que tenham idade suficiente para a versão real, diz Stan Chudnovsky, diretor do Messenger.

Quando o Messenger Kids foi lançado em 2017, um grupo de defensores do bem-estar infantil escreveu uma carta ao CEO do Facebook, Mark Zuckerberg argumentando que crianças “não têm idade suficiente para navegar nas complexidades dos relacionamentos online” e pedindo-lhe que abandonasse o projeto. Chudnovsky diz que a empresa ficou inicialmente surpresa com a resistência, mas ele se sente vingado de que havia mais de 7 milhões de contas de usuário ativas por mês no serviço em abril de 2020, o mês mais recente para o qual ela forneceu números. “Éramos todos um pouco ingênuos”, diz ele. “Não temos mais essa ingenuidade.”

O Instagram Youth pode ser ainda mais polêmico. Os defensores do bem-estar das crianças estão preocupados com o fato de o aplicativo contribuir para a depressão, solidão e ansiedade, submetendo os usuários jovens à cultura de alta pressão do Instagram, que se concentra na apresentação de versões idealizadas de si mesmos aos colegas.

Há pesquisas que sugerem que os adolescentes que usam as redes sociais têm maior probabilidade de sofrer de depressão, ter ideias autodestrutivas e até tentar o suicídio. Outros dizem que a ligação entre o uso da mídia social e o menor bem-estar psicológico é fraca, e que mais pesquisas serão necessárias para descartar outros fatores potenciais que contribuam para a isso.

Josh Golin, diretor executivo da Campanha para uma Infância livre do Comércio, chama o lançamento do Instagram Youth de fora de tom. “O mundo todo diz: ‘Estamos muito preocupados com o Facebook, o Instagram e as mídias sociais’”, diz ele. “E a resposta deles é: ‘Quer saber, nós vamos atrás das crianças’’’. Seu grupo avisou Zuckerberg em uma carta aberta recente que o Instagram Youth colocaria os usuários jovens em “grande risco”.

O histórico de privacidade do Facebook complicou as tentativas de construir a confiança dos usuários. Houve uma alarmante série de revelações sobre sua abordagem aos dados do usuário em seus aplicativos voltados para adultos.

A Comissão Federal para o Comércio investigou como o Messenger Kids permitia que crianças conversassem com estranhos ao permitir que usuários adicionassem contas a chats em grupo que os pais ainda não haviam aprovado. Chudnovsky diz que a investigação da Comissão não resultou em quaisquer consequências.

A empresa também demonstrou ter incentivado crianças a gastar dinheiro em aplicativos de jogos usando as contas de seus pais, recusando-se a fazer reembolsos. Durante uma audiência no Congresso em março, legisladores pressionaram Zuckerberg para saber se sua empresa estava fazendo o suficiente para proteger as crianças que usam os serviços do Facebook.

O Facebook insiste em que haverá salvaguardas para o Instagram Youth e os pais terão controle total sobre as contas de seus filhos. Eles provavelmente serão capazes de aprovar ou rejeitar as pessoas que seguem e monitorar postagens públicas e mensagens privadas, embora o Facebook diga que ainda está trabalhando nos detalhes.

Por fim, o Facebook planeja criar um único painel para os pais que combina os controles de aplicativos para os dois aplicativos infantis, permitindo que os pais monitorem a atividade e estabeleçam limites de tempo para o Messenger Kids e o Instagram Youth de um só lugar, de acordo com Mosseri, do Instagram.

A empresa também está considerando configurações padrão de privacidade mais criteriosas e planeja ser mais criteriosa sobre como o Instagram Youth lida com a forma como seus algoritmos escolhem, quais postagens mostrar e quais contas sugere seguir, o que tem sido uma fonte rotineira de controvérsia em outros produtos do Facebook.

Stacey Steinberg, diretora do Centro para Crianças e Famílias da Faculdade de Direito da Universidade da Flórida, elogia a ideia de um ambiente de mídia social mais limitado para ajudar os jovens usuários a navegar no mundo online. “Ao contrário de tantos outros aspectos da vida familiar, não [há] rodinhas de treinamento quando se trata de mídia social”, diz ela.

“Não acho que a resposta seja desligar completamente a Internet para eles.” Sua principal preocupação é uma violação de dados envolvendo o Instagram Youth, o que pode deixar expostas as informações pessoais das crianças. Ela também está preocupada com os riscos que as redes sociais representam para o bem-estar psicológico das crianças.

De sua parte, os executivos do Facebook dizem que as crianças estão de qualquer maneira usando a mídia social e não acham que a empresa precisa se desculpar por fazer dedicados aplicativos feitos sob medida para usuários jovens. “Não tenho dúvidas de que este é um resultado mais seguro, melhor e mais sustentável para todos os envolvidos”, diz Mosseri. “É nossa responsabilidade fazer a coisa certa, mesmo que levemos alguns tapas.”

Não perca as últimas tendências do mercado de tecnologia. Assine a EXAME.

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

 

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também