Tecnologia

Facebook anuncia Ray-Ban Stories, óculos inteligentes com câmeras

Os óculos, criados em parceria com a fabricante do Ray-Ban, EssilorLuxottica, permitem que os usuários ouçam música, atendam ligações ou tirem fotos e vídeos curtos

Óculos de realidade virtual criado por Facebook e Ray-Ban. 9/9/2021 Ray-Ban and Facebook (Facebook/Handout/Reuters)

Óculos de realidade virtual criado por Facebook e Ray-Ban. 9/9/2021 Ray-Ban and Facebook (Facebook/Handout/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 9 de setembro de 2021 às 15h57.

Última atualização em 9 de setembro de 2021 às 16h18.

O Facebook lançou seus primeiros óculos inteligentes nesta quinta-feira, em sua busca por oferecer verdadeiros espetáculos de realidade aumentada.

Os óculos, criados em parceria com a fabricante do Ray-Ban, EssilorLuxottica, permitem que os usuários ouçam música, atendam ligações ou tirem fotos e vídeos curtos e os compartilhem nos serviços do Facebook usando um aplicativo complementar. O Facebook afirmou que a linha de óculos começa a ser vendida a 299 dólares.

O gigante das redes sociais, que relatou receitas de cerca de 86 bilhões de dólares em 2020, ganha a maior parte de seu dinheiro com anúncios, mas tem investido bastante em realidade virtual e aumentada, desenvolvendo hardwares como os fones de ouvido Oculus VR e trabalhando em tecnologias de pulseiras para suportar óculos de realidade aumentada.

O principal cientista do Facebook afirmou no ano passado que a empresa estava a cinco a dez anos de conseguir levar ao mercado verdadeiros óculos de realidade aumentada, que sobreporiam objetos virtuais à visão do mundo real do usuário.

Gigantes de tecnologia, como Amazon, Snap, Google, Microsoft e Apple têm competido para desenvolver óculos inteligentes, mas as primeiras ofertas, como o Google Glass, se provaram difíceis de serem vendidos devido ao alto preço e por problemas de design.

A Snap lançou um óculos de realidade aumentada neste ano, mas não estão à venda, disponíveis apenas a criadores. O executivo-chefe da Snap, Evan Spiegel, disse em 2019 que sua expectativa era que demoraria uma década até os consumidores adotarem óculos inteligentes de realidade aumentada de maneira ampla.

O presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, recentemente anunciou que a empresa montou uma equipe para trabalhar na construção do metaverso, ambiente virtual compartilhado que a empresa aposta que será o sucessor da internet móvel.

O Facebook, que tem sido criticado pela forma como lida com dados do usuário, disse na quinta-feira que não acessará a mídia usada pelos clientes de óculos inteligentes sem consentimento. Também disse que não usará conteúdo de fotos e vídeos capturado com óculos e armazenados no aplicativo Facebook View para anúncios personalizados.

  • Não perca as últimas tendências do mercado de tecnologia. Assine a EXAME.
Acompanhe tudo sobre:FacebookInteligência artificialÓculos

Mais de Tecnologia

Dez anos de Spotify no Brasil: o app que extinguiu a pirataria e virou sinônimo de música

O que esperar do balanço da Nvidia, a mais nova queridinha de Wall Street

Quatro operadoras da China se unem para oferecer roaming 5G entre redes

Colher elétrica promete 'temperar' alimento sem utilizar mais sal

Mais na Exame