Cyanogen quer fazer uma versão do Android independente do Google

“Estamos tentando levar o Android para longe do Google”, disse o CEO da Cyanogen, Kirt McMaster

Apesar de já conseguir caminhar quase sozinho no mercado de sistemas operacionais móveis, o CyanogenMod ainda depende, de certa forma, do Google. Mas essa ligação com a empresa, que desenvolve o SO no qual a plataforma é baseada, deve acabar em breve – ou ao menos é isso que pretende o CEO da Cyanogen, Kirt McMaster.

“Estamos tentando levar o Android para longe do Google”, disse o executivo em um debate sobre o futuro do sistema, organizado na última semana pelo site The Information.

Segundo McMaster, o sistema que vem junto com os smartphones hoje não tem todos os recursos acessíveis por terceiros. Essas limitações fazem com que aplicações como o Google Now, que se integram completamente à plataforma, não existam.

A ideia da Cyanogen, portanto, é criar uma versão do Android para os dispositivos móveis que seja “aberta até o núcleo”, segundo o Android Authority. Dessa forma, empresas como o Yahoo! (com seu Aviate) ou mesmo os desenvolvedores do Nova Launcher conseguiriam o mesmo grau de personalização que, atualmente, apenas a gigante dona do sistema tem direito.

O problema é que uma mudança brusca assim no SO afetaria diretamente a relação que os responsáveis pelo CyanogenMod têm hoje com o Google. A plataforma desenvolvida por eles ainda tem acesso à Play Store e a outros serviços disponíveis nela, como o Gmail e o Maps, que ficam de fora em outras variações do sistema, como a desenvolvida pela Amazon.

A empresa de Jeff Bezos conseguiu contornar essa desvantagem com loja e apps próprios, como um cliente de e-mail e um sistema de navegação. E é quase isso que a empresa de McMaster quer fazer – mas com a ajuda de parceiros e até com suporte a outras lojas de aplicativos, que devem fazer companhia à do sistema, que deve sair em 18 meses.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também