China e Rússia estão na lista negra da pirataria dos EUA

Sobre o Brasil, o governo americano destacou estar ''preocupado com a proliferação da elaboração, venda e distribuição de produtos farmacêuticos falsificados''

Washington - O Departamento de Comércio dos Estados Unidos divulgou nesta segunda-feira sua lista prioritária de vigilância sobre violação dos direitos de propriedade intelectual, que inclui 13 países, entre eles China, Rússia, Índia e Argentina.

A ''lista negra'' conta ainda com Argélia, Canadá, Chile, Indonésia, Israel, Paquistão, Tailândia, Ucrânia e Venezuela. Já o Brasil está no segundo patamar de vigilância.

No caso da Argentina, o relatório ''Special 301'' destaca ''as significativas preocupações em relação à ampla disponibilidade de produtos piratas e um prolongado atraso nas patentes''.

Sobre o Brasil, o governo americano destacou estar ''preocupado com a proliferação da elaboração, venda e distribuição de produtos farmacêuticos falsificados'', além das cópias não autorizadas de livros e da pirataria através da internet.

Apesar disso, o relatório aponta que o país ''continuou a ter progressos em 2011'', e cita as apreensões coordenadas pelo Conselho Nacional de Combate à Pirataria (CPCP), que totalizaram mais de US$ 1 bilhão em itens. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.