A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Brasil reinicia estudos na Antártida

Brasil reinicia estudos na Antártida dois anos após incêndio em sua base

Rio de Janeiro - O envio de 200 cientistas à Antártida em novembro representará o reinício da pesquisa biológica e meteorológica brasileira no continente, quase dois anos depois do incêndio que destruiu a base que o Brasil operava ali desde 1984.

A Marinha brasileira ainda não construiu a base definitiva que substituirá a Estação Antártica Comandante Ferraz, e, por isso, os pesquisadores trabalharão em contêineres provisórios que funcionarão como laboratórios e dormitórios.

"Conseguimos voltar a desenvolver 100% de nossas atividades em um tempo relativamente curto. As pesquisas não chegaram a paralisar totalmente e agora poderemos normalizá-las", disse à Agência Efe o geólogo Jefferson Simões, representante do Brasil no Comitê Científico de Pesquisa Antártica.

Um primeiro navio polar da Marinha zarpará no dia 6 de outubro rumo à Antártida com os contêineres e todo o material científico e logístico necessário para a manutenção da base provisória durante o próximo verão austral (de novembro de 2013 a março de 2014), quando as temperaturas mais amenas permitem as atividades.

A maioria dos cientistas viajará de avião a partir de novembro e permanecerá na base provisória dependendo das exigências de seus estudos, e outros irão em um segundo navio polar da Marinha.

Nos contêineres, dotados com laboratórios para química, meteorologia e aquários, poderão se alojar cerca de 80 pesquisadores, sem contar os militares e as pessoas que trabalharão na construção da nova estação. Os demais cientistas trabalharão nos navios polares.

"As cotas são limitadas porque teremos que dividir o espaço com o pessoal de manutenção, mas os módulos têm as acomodações necessárias para todos. Em termos de comodidade não é o melhor, mas será apenas este ano", assegura Simões, que é diretor do Centro Polar e Climático da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Apesar de os pesquisadores responsáveis pelos estudos na Antártida terem mantido suas atividades desde o incêndio de fevereiro de 2012, que deixou o Brasil sem base no continente branco, os cientistas não tinham voltado a pisar no gelo.

Alguns estudos foram realizados a partir de navios brasileiros e outros em universidades com os dados meteorológicos coletados pelos instrumentos que ainda funcionam na Antártida.

"Nenhum dos projetos parou totalmente e agora poderemos normalizar até os estudos que tinham mais dificuldades, que representam 16% do total. O uso dos contêineres nos permitirá recuperar o tempo perdido", explicou Simões.

"Retomaremos inicialmente os projetos essenciais, como os de medição de geleiras, controle do ambiente antártico e coleta de dados meteorológicos e climáticos", acrescentou o pesquisador.

Trata-se da 32ª edição da chamada Operação Antártica (Operantar), que a Marinha organiza anualmente para garantir a presença do Brasil na região.

Os participantes vão preparar o terreno onde será construída a nova estação na ilha do Rei George, a região da península antártica que abriga as bases de países como Chile, Argentina, Rússia e China.

"Para limpar a área da base incendiada e montar os módulos provisórios tivemos que deixar os pesquisadores afastados da Antártida por um verão. Agora normalizaremos as atividades", disse o capitão de guerra e mar da Marinha, Marcello Melo da Gama, responsável pelo Programa Antártico Brasileiro.

O oficial acrescentou que no verão passado a Marinha enviou cinco navios à Antártida, três a mais que o usual, para limpar o terreno e manter alguns cientistas embarcados trabalhando.

Agora o principal objetivo, segundo Gama, é a instalação das fundações para a nova base, que terá um custo de R$ 120 milhões e que a Marinha espera inaugurar no verão de 2015.

A instalação, projetada pela empresa Estúdio 41, terá 4.500 metros quadrados, 17 laboratórios, biblioteca, centro cirúrgico e uma área de alojamento com capacidade para 64 pessoas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também