Tecnologia
Acompanhe:

Amazon começa Prime Day 2021 com bom cenário nas vendas digitais

Adesão às compras online cresceu durante a pandemia e evento da varejista deve coroar estratégia de descontos para assinantes

Entregas da Amazon: maior evento da gigante varejista começa nesta segunda-feira (Mike Segar/Reuters)

Entregas da Amazon: maior evento da gigante varejista começa nesta segunda-feira (Mike Segar/Reuters)

T
Thiago Lavado

21 de junho de 2021, 06h59

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

O maior evento da Amazon está acontecendo. A gigante do varejo iniciou nesta segunda-feira, 21, o Amazon Prime Day, que em 2020 chegou a vender 10.4 bilhões de dólares em produtos, uma alta de 45% se comparado com 2019. Desse total, 3.5 bilhões vieram de pequenos e médios negócios que utilizam a plataforma da empresa.

As promoções vão até o final da próxima terça-feira e incluem eletrônicos fabricados pela Amazon, como os dispositivos Kindle e Echo, que contêm a inteligência artificial Alexa. Outros artigos eletrônicos também estarão com descontos, além de livros, itens de informática, artigos para a casa, brinquedos, videogames, entre outros. Há uma lista dos itens que estarão em promoção.

Não perca as últimas tendências do mercado de tecnologia. Assine a EXAME.

O Prime Day é uma estratégia da Amazon de descontos exclusivos para assinantes do serviço Amazon Prime, que inclui ofertas, entregas mais rápidas e gratuitas, e até acesso aos serviços de streaming Amazon Prime Video, ele faz parte de uma estratégia da gigante para angariar ainda mais assinantes e consumidores.

Nos EUA, concorrentes como Walmart e Best Buy já se aproveitam da data para fornecer seus próprios descontos e não deixar a Amazon abocanhar o mercado sozinha -- algo que está no radar em 2021.

Eventos de compras online se tornaram ainda mais importantes desde o início da pandemia de covid-19, que levou consumidores a terem hábitos de compras digitais e aumentaram as margens das varejistas online. No Brasil, a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) afirma que as vendas online cresceram 68% em 2020, e a participação do e-commerce no total do varejo saiu de 5% para 10%.

Nesse cenário, há muita perspectiva para que os números do Prime Day 2021 sejam ainda maiores -- como já aguardam algumas previsões. Para a Amazon, o cenário é ainda mais dourado: dados da consultoria eMarketer apontam que a varejista 41% de todas as vendas no varejo digital americano até o final do ano. O Walmart é esperado em segundo, com 7,2% do total.