A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Dupla confusão com o dólar e a inflação

A recente intervenção do governo para tentar conter a queda do dólar e os sinais de tolerância com a inflação solapam as bases do modelo que sustenta a estabilidade da economia desde 1999

São Paulo - Há mais de uma década, o Brasil resiste às tormentas do sistema financeiro internacional e avança durante as bonanças com uma política econômica basea­da em três pilares bem definidos: o câmbio flutuante, o controle da inflação pelo sistema de metas e a formação de superávit primário para o pagamento de juros da dívida.

Uma das vantagens desse modelo é a sua clareza para orientar decisões de investidores e empresas. Desde o ano passado, porém, esse sistema tem sofrido uma gradual deterioração.

Na última semana de julho, o governo deu sinais de que pelo menos duas pernas do tripé estão mais frágeis, a do câmbio flutuante e a das metas inflacionárias.

Na frente cambial é onde o governo tornou mais explícito seu desapego ao tripé macroeconômico. Sua medida mais recente foi a intervenção no mercado futuro de câmbio com a cobrança de 1% de imposto sobre operações financeiras nos negócios com dólar.

Desde outubro, já foi feita uma dúzia de intervenções com o mesmo objetivo — até agora, sem sucesso. “Adotamos nos últimos meses uma espécie de regime cambial semiflexível”, diz Alex Agostini, economista-chefe da Austin Rating. É compreensível que o fortalecimento do real venha preocupando o governo.

Afinal, o real forte virou uma pedra no sapato de milhares de empresas do país, seja pela dificuldade de exportar, seja pela concorrência com o produto internacional.

Mas as medidas foram consideradas inócuas contra as forças que agem sobre o câmbio: o enfraquecimento global da moeda americana, somado à robustez da economia brasileira, que tem atraído uma torrente de investimentos estrangeiros.

“A maior parte do dinheiro que entra hoje é investimento direto de empresas interessadas em ampliar os resultados a partir do Brasil”, diz Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central.

“Não há como nem por que evitar o movimento internacional.” Como resultado da intervenção mais recente, o que se dá como certo apenas é a elevação do custo das operações de proteção cambial das empresas.


Outro efeito provável é a migração de negócios da BM&F Bovespa para a bolsa de Chicago. “É evidente que o câmbio já deixou de flutuar”, diz Celso Toledo, diretor da consultoria LCA. “É uma intervenção em cima da outra.”

A segunda informação preocupante veio na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária. O texto sinalizou que o cumprimento da meta de inflação pode ficar para 2013, e não mais para 2012, como o Banco Central vinha informando ao mercado.

A mudança ocorreu após a presidente Dilma Rousseff dizer que não vai aceitar o combate à inflação à custa do crescimento econômico. Muitos economistas já vinham criticando o fato de a meta de inflação permanecer em 4,5% desde 2005 e passaram a reforçar o prognóstico de que a leniência com a inflação vai aumentar.

Na última semana de julho, o governo também divulgou o resultado do superávit primário, a terceira perna do tripé macroeconômico. No acumulado em 12 meses, o dado está acima da meta, o que poderia sugerir que tudo vai bem neste front.

Mas não é bem assim. O saldo foi obtido basicamente com aumento na arrecadação, não com corte de gastos públicos. “O governo inventou uma nova política econômica baseada em aumento de gastos públicos, inflação e câmbio vigiado”, diz o economista Simão Silber, professor da Universidade de São Paulo. “Não há crescimento que perdure com essa receita.” 

Talvez seja exagero dizer que o governo abandonou por completo o modelo que vigorou na última década. Mais correto é dizer que aumentou a confusão no comando da economia. No momento em que o risco aumenta no mundo, não são mudanças tranquilizadoras.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também