• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Preços de imóveis sobem no maior ritmo em seis anos em São Paulo

Mercado aquecido e recorde de vendas e lançamentos afetam preços na capital. E a demanda vai continuar em alta
Alta dos valores chegou a 4,5% nos 12 meses encerrados em julho, com o preço médio do metro quadrado na cidade em 9.569 reais (Exame/Leonardo Yorka)
Alta dos valores chegou a 4,5% nos 12 meses encerrados em julho, com o preço médio do metro quadrado na cidade em 9.569 reais (Exame/Leonardo Yorka)
Por Marília AlmeidaPublicado em 19/08/2021 05:30 | Última atualização em 19/08/2021 05:28Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Desde o começo da pandemia, em março do ano passado, o maior mercado do país observa um aumento gradual e consistente dos preços de casas e apartamentos em linha com um quadro de recordes de lançamentos e vendas de imóveis novos.

A alta dos valores chegou a 4,5% nos 12 meses encerrados em julho, com o preço médio do metro quadrado na cidade em 9.569 reais, segundo o Índice FipeZap. É uma taxa de reajuste não vista desde a última fase de expansão do mercado imobiliário nacional, em 2015.

Imóveis em bairros desejados na cidade de São Paulo, como Pinheiros, na zona oeste, e Vila Mariana, na zona sul, tiveram valorização de 9,3% e 7,9% na janela de 12 meses, respectivamente. 

Foram comercializadas 64.455 unidades residenciais novas no período de 12 meses até junho deste ano na cidade de São Paulo, uma alta de 38,7% em relação ao mesmo período anterior, segundo dados do sindicato que reúne as empresas do setor, o Secovi-SP. Em todo o ano de 2020, foram 51.417 unidades, o maior volume da série iniciada em 2004 e 70% acima da média histórica.

Do lado da oferta, os lançamentos e os imóveis em construção se concentram em regiões estimuladas pelo Plano Diretor e pela Lei de Zoneamento aprovados, respectivamente, em 2014 e 2016, como eixos servidos por transporte público. São projetos planejados e executados sob a nova legislação que começam a ser entregues apenas agora.

Um exemplo são os cerca de dez lançamentos de apartamentos compactos ao longo da Avenida Rebouças, na zona oeste. Santo Amaro (4.303 unidades) e Vila Mariana (3.332 unidades), bairros da zona sul com ampla oferta de transporte público, lideram em lançamentos nos 12 meses até junho. 

Até o fim do ano a demanda na cidade promete continuar a ser tão forte quanto no ano passado, diz o presidente do Secovi-SP, Basilio Jafet. “É difícil prever quando será o fim da pandemia. Mas, como 90% da população adulta na cidade já recebeu pelo menos a primeira dose da vacina contra a covid-19, a pandemia tende a perder a preponderância sobre a economia”, afirma.

O aquecimento do mercado, por sua vez, significa que os preços dos imóveis na cidade deverão continuar a subir no segundo semestre, principalmente porque a disparada dos custos de insumos continuará a ser repassada pelas incorporadoras aos compradores de forma gradual: a alta chega a 17,35% nos 12 meses até julho, segundo o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), da Fundação Getulio Vargas.

(Arte/Exame)

Boom no interior do estado

O maior mercado do país continuará aquecido, segundo especialistas, mesmo com parte da demanda direcionada para o interior do estado de São Paulo.

A tendência de busca por qualidade de vida, junto com o modelo de trabalho remoto ou híbrido, criou um quadro em que o ritmo de vendas de imóveis no interior supera o de lançamentos. Resultado: queda dos estoques e preços que sobem até 60% ao ano em algumas cidades, segundo dados da consultoria Brain.

São cidades como Itapeva (alta anual de 60,1%), Boituva (51,7%) e São José do Rio Preto (37,6%), com loteamentos abertos. No caso de lançamentos fechados, as maiores altas estão em Itu (54,8%), Boituva (42,3%) e Monte Mor (40%).

Do quarto trimestre de 2019 ao primeiro trimestre deste ano, o estoque de loteamentos em 65 cidades analisadas caiu de 49.198 para 30.014 unidades. Fábio Tadeu Araújo, sócio da Brain, diz que o movimento de ida para o interior já estava em curso, mas foi consolidado pela pandemia. “O movimento é mais forte na faixa dos compradores com 50 anos, com filhos adultos.”

 Quer ser um planejador financeiro? Conheça o curso preparatório CFP mais completo do mercado

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Veja Também

'Airbnb' de luxo tem diárias de R$ 2 mil a R$ 25 mil. Conheça
Mercado imobiliário
Há um dia • 10 min de leitura

'Airbnb' de luxo tem diárias de R$ 2 mil a R$ 25 mil. Conheça