O crime em quarentena

Taxas de assaltos, roubos de carga nas estradas e até de tráfico de drogas caem no Brasil

Até o crime organizado vem sentindo os efeitos da crise provocada pelo coronavírus — para alívio da população. Com mais gente em casa e uma fiscalização maior nas fronteiras, as oportunidades de assaltos, roubos e até de tráfico de drogas estão minguando.

Na Itália, só em março houve uma redução de 64% na taxa de crimes. Os bandidos italianos praticamente não têm quem assaltar nem carros para roubar. A mesma coisa está acontecendo no Brasil. Desde o início da pandemia, a incidência de quase todos os tipos de crime caiu.

Os assaltos diminuíram mais de 20% em março em comparação a fevereiro deste ano, de acordo com as secretarias de Segurança dos estados. Com menos caminhões nas estradas, os roubos de cargas tiveram uma redução em março. A quarentena também está bloqueando boa parte das cadeias de distribuição de drogas.

Só não diminuiu a taxa de homicídios. “A convivência mais intensa entre as pessoas tem provocado esse efeito, infelizmente”, diz Rafael Alcadipani, professor na FGV e membro do Fórum Nacional de Segurança Pública. Por essa razão, a violência doméstica também tem aumentado no país. “Além disso, os crimes cibernéticos cresceram, com mais gente online.”

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.