O clube do livro agora é digital

Mais de 300.000 livros foram baixados pelo aplicativo da Skeelo desde o começo da pandemia
 (Germano Lüders/Exame)
(Germano Lüders/Exame)
C
Carolina Ingizza

Publicado em 02/07/2020 às 05:00.

Última atualização em 12/02/2021 às 12:17.

O brasileiro não gosta de ler? Em maio do ano passado, os empreendedores Rodrigo Meinberg e Rafael Lunes decidiram apostar contra esse senso comum e lançaram um aplicativo de assinatura de e-books chamado Skeelo.

Diferentemente dos concorrentes, que oferecem acesso ilimitado ao catálogo digital de livros, a dupla resolveu focar a curadoria de conteúdo e disponibilizar por mês um único título ao assinante, em geral um best-seller.

Caso o leitor não goste da sugestão, tem um prazo para efetuar a troca pelo aplicativo. No total, já foram entregues mais de 80 milhões de livros aos assinantes.

Uma pessoa pode assinar o serviço por 23,90 reais por mês. Além disso, os sócios criaram um modelo de negócios em que as operadoras de telefonia e os bancos pagam pelo serviço para os clientes. Hoje, Claro, Algar Telecom, Tim, Oi e Banco do Brasil oferecem o aplicativo da Skeelo como benefício aos usuários.

Com isso, a Skeelo passou de 3 milhões de assinantes no fim de 2019 para 21 milhões em junho deste ano. “As operadoras agilizaram o processo de adesão ao Skeelo por causa do coronavírus”, diz Meinberg.

De 23 de março a 29 de junho, foram mais de 300.000 e-books lidos, 275% mais do que no primeiro trimestre. A Skeelo planeja entrar em novos negócios. “Vamos lançar audiobooks usando o mesmo conceito”, diz Lunes.

Clube do livro digital

(Arte/Exame)

Veja Também

Montblanc Haus: local transforma a escrita em arte
Revista Exame
Há 2 semanas • 4 min de leitura

Montblanc Haus: local transforma a escrita em arte