O Brasil precisa de empresas como a Natura, diz botânico

Para um dos mais renomados botânicos britânicos, a melhor maneira de salvar a região amazônica é explorar seus recursos — inclusive os agrícolas

São Paulo - O botânico inglês Ghillean Prance visita a região da floresta amazônica quase todo ano desde a década de 60. Prance tem um longo currículo na pesquisa das propriedades das plantas brasileiras e na área de conservação ambiental, o que inclui a direção do Jardim Botânico de Nova York e dos Jardins Botânicos Reais de Kew, no Reino Unido.

De acordo com o pesquisador, o Brasil e o mundo precisam da Floresta Amazônica preservada, mas isso não impede que haja uma intensa atividade econômica na região. Para Prance, o motor desse desenvolvimento deve ser companhias como a Natura, mas ele não descarta o papel da agricultura

1) EXAME - Nas últimas décadas, o que mudou na Amazônia?

Ghillean Prance - As cidades cresceram muito. Quando visitei Manaus pela primeira vez, na década de 70, a cidade tinha cerca de 300 000 habitantes. Hoje, existem quase 2 milhões de moradores. Também vejo um interesse crescente em uma abordagem sustentável do desenvolvimento. 

2) EXAME -  Quais são suas maiores preocupações em relação à região amazônica?

Ghillean Prance - Temos de conservar a floresta para ajudar na redução do efeito estufa nos climas mundiais. Mas é preciso ser realista e criar um uso sustentável da região. Nas áreas já desmatadas, poderíamos dar lugar a uma agricultura intensiva. 

3) EXAME - Como isso seria feito?

Ghillean Prance - É possível usar a terra de forma mais inteligente. Pode-se cultivar o solo em camadas. Numa mesma área, é possível ter uma árvore frutífera, e embaixo dela colocar uma cultura perene, como o cacau, que não é necessário replantar todo ano, e, junto, plantar outra espécie rasteira. A Embrapa já está estudando esse tipo de técnica. Isso é mais sustentável do que criar uma vaca a cada 5 hectares. Sem falar que traria mais renda para quem mora ali.

4) EXAME - É curioso o senhor dizer isso, porque há uma grande resistência dos ambientalistas em desenvolver a agricultura na região amazônica. Isso seria viável?

Ghillean Prance - Com a população crescendo, temos de aumentar a produção de alimentos. Mas gostaria de deixar uma coisa bem clara: falo em aproveitar as áreas já desmatadas. Além disso, utilizar o solo com culturas permanentes é melhor do que plantar soja, que precisa ser cultivada todo ano e pode causar erosão. Se não preservarmos as florestas e não cumprirmos a meta de limitar o aquecimento do clima em dois graus até 2050, será um desastre para o mundo.

5) EXAME - O senhor acha que é possível atingir essa meta?

Ghillean Prance - Às vezes, sou otimista. Às vezes, pessimista. Para conseguir cumpri-la, temos de convencer os políticos de que as florestas preservadas têm muito valor para a sociedade.  

6) EXAME - De que modo as florestas podem gerar valor?

Ghillean Prance - Felizmente, já começamos a ver boas iniciativas. A Natura recolhe sementes  de árvores nativas sem precisar derrubá-las. Isso poderia ocorrer com companhias de outros setores, como o farmacêutico e o de alimentos. O Brasil precisa de mais empresas como a Natura.

7) EXAME - O que falta para que haja mais bons exemplos?

Ghillean Prance - Há muita divergência entre os que defendem a conservação da floresta e os que defendem o desenvolvimento. Além disso, é importante que as universidades e as empresas trabalhem juntas. Sem isso, não dá para avançar.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.