Afinal, vale tudo pelos bitcoins?

A recente alta do bitcoin tem animado investidores a colocar parte do portfólio em moedas digitais, mas é preciso ficar confortável com a volatilidade
“Minha perspectiva para o ano é a melhor possível. Estamos vendo muita gente entrando no mercado, a adoção acontecendo e uma maior participação institucional”, disse Changpeng Zhao, presidente da Binance (Cyla Costa/Exame)
“Minha perspectiva para o ano é a melhor possível. Estamos vendo muita gente entrando no mercado, a adoção acontecendo e uma maior participação institucional”, disse Changpeng Zhao, presidente da Binance (Cyla Costa/Exame)
G
Gabriel Rubinsteinn

Publicado em 14/01/2021 às 05:59.

Última atualização em 04/03/2021 às 10:45.

Você provavelmente conhece alguém que tem bitcoins — e a chance de essa pessoa já haver se gabado de lucros exorbitantes é altíssima. Com valorização recorde em 2020, os criptoativos estão fazendo a cabeça (e o bolso) de muita gente. Representam uma tendência irreversível para o futuro do dinheiro.

Será que você está pronto(a) para investir em criptomoedas? Descubra com o teste de perfil de investidor da EXAME, 100% interativo e gratuito, com relatórios exclusivos ao final.

“Os ativos digitais promoverão mudanças de forma nunca antes vista”, diz Glauco Cavalcanti, presidente da gestora brasileira BLP Asset, que negocia fundos de investimento em criptoativos. Por isso, é bastante provável que o mercado cripto ainda cresça bastante e, no longo prazo, os preços das moedas digitais subam.

Essa perspectiva faz dos ativos uma boa oportunidade de investimento para o longo prazo. Mas o caminho até o futuro pode ser tortuo­so. 

Desde que foi criado, em 2008, o bitcoin já viveu muitos altos e baixos. A volatilidade é comum em mercados jovens e relativamente pequenos — o gráfico ao lado é prova. O cenário, entretanto, deve começar a mudar à medida que o setor se desenvolve. Em 2020, um grande fluxo de investimento institucional foi notado de forma inédita.

Tal tendência é importante para o amadurecimento desse mercado porque, diferentemente dos pequenos investidores, os institucionais (fundos de pensão, por exemplo) visam ao longo prazo e fazem aportes maiores. Também em 2020, gigantes de pagamentos digitais, como PayPal e Square, anunciaram sua entrada nesse universo, levando os criptoativos às suas centenas de milhões de usuários em todo o mundo.

Empresas como a desenvolvedora de soft­ware MicroStrategy, fundos bilionários como One River e MassMutual e famosos investidores globais como Paul Tudor Jones e Stanley Druckenmiller anunciaram que colocariam parte de seu capital em bitcoin. 

Essas novidades fizeram com que o bitcoin, que começou 2020 cotado a 7.000 dólares, fechasse o ano valendo quase 30.000. Na esteira desse sucesso têm surgido novas moedas, como o ether, do blockchain Ethereum.

“Minha perspectiva para o ano é a melhor possível. Estamos vendo muita gente entrando no mercado, a adoção acontecendo e uma maior participação institucional”, disse Changpeng Zhao, presidente da Binance, a maior bolsa de criptoativos do mundo, que fica sediada em Malta.

Mas não dá para menosprezar os riscos desses ativos. Diferentemente do mercado de ações, em que balanços e indicadores macroeconômicos servem de referência para projeções de preços, o mercado de criptoativos se comporta mais como o mercado de câmbio.

Os criptoativos sofrem reflexos diretos em relação à volatilidade, o que faz com que sejam produtos de alto risco pelo mercado especulativo. Por isso, é preciso saber se para o seu perfil de risco o investimento em bitcoins e demais criptomoedas vale a pena. Para isso, a EXAME desenvolveu um quiz interativo de perfil de investidor(a), com relatórios inéditos e recomendações de produtos a partir de seu resultado.

Prever o comportamento do dólar também é uma tarefa inglória. A recomendação dos especialistas para quem se interessa por criptomoedas é: invista no máximo de 3% a 5% de seu portfólio — e arrisque apenas o que pode perder.  

(Arte/Exame)


(Publicidade/Exame)