Como fazer negócio na (e da) China

Na pandemia, os chineses ampliaram suas ambições globais. O que é importante para negociar com eles
 (Edwin Remsberg/AGB Photo)
(Edwin Remsberg/AGB Photo)
R
Rodrigo Caetano

Publicado em 02/07/2020 às 05:00.

Última atualização em 12/02/2021 às 12:16.

A pandemia do coronavírus aumentou a exposição da China no cenário global. Isso levou o gigante asiático a ser mais assertivo em sua diplomacia. Conhecidos pela discrição, os chineses passaram a se expressar com veemência, especialmente nas redes sociais.

Segundo Tulio Cariello, coordenador de pesquisa do Conselho Empresarial Brasil-China, essa nova postura reflete dois entendimentos do Partido Comunista. O primeiro é que há risco de surgir uma onda de preconceito contra os chineses. O outro é que a segunda maior economia do mundo terá de ser mais global para se recuperar da crise. “O pragmatismo vai continuar, mas a diplomacia chinesa deverá ser mais participativa nos debates”, diz Cariello.

A China já é o maior parceiro comercial do Brasil, e as relações se intensificaram na crise. As exportações de soja, por exemplo, atingiram em maio o nível mais alto em dois anos. As ambições globais dos chineses abrem outras oportunidades para o país, além das commodities. “Os setores de saúde, tecnologia da informação e veículos elétricos receberão especial atenção”, diz Keila Cândido, fundadora da Hong Consultoria, especializada em cultura chinesa para negócios. Negociar com chineses, no entanto, tem suas peculiaridades. A consultora destaca abaixo os principais aspectos da cultura chinesa que devem ser considerados em uma negociação.